A convergência de aparelhos, como tablets e smartphones, é boa por eliminar a necessidade de vários gadgets diferentes que trazem uma performance marginalmente superior. Mas há certas instâncias onde um aparelho dedicado faz mais sentido. Como aponta o New York Times, ler livros é um dos casos.

Antes de tudo, isso não é uma reclamação militante em prol dos livros físicos; eles estão bem, mas no geral, eu fico em posição ambivalente em relação a qual meio a obra chegará. No caso, o argumento sustenta as virtudes de um e-reader dedicado. E aparentemente eu não estou sozinho nessa, já que o NYT tem dados para sua argumentação.

Mas há sinais de que as editoras estão diminuindo a velocidade no uso de tablets para leitura de livros. Uma pesquisa recente da Forrester Research mostra que 31% das editoras acredita que iPads e tablets similares são a plataforma ideal para leitura de livros digitais; há um ano, este percentual era de 46%.

“O tablet é como uma tentação”, diz James McQuivey, analista da Forrester Reseach que comandou a pesquisa. “Ele constantemente diz ‘você poderia estar no YouTube agora’. Ou manda alertas constantes que pulam na tela, avisando que você recebeu um e-mail. O ato de ler em si compete com isso.”

A matéria mira na natureza distrativa de um tablet. Nossos e-mails, chats e apps estão sempre nos notificando sobre novidades. E nada é pior do que estar imerso em um universo de um livro e ser arrancado de lá por um e-mail do Groupon oferecendo depilação com 50% de desconto + viagem para o Caribe em 200x sem juros.

Eu gosto dos tablets para folhear revistas e ler artigos de no máximo mil palavras. Ah, em livros escolares eles também podem fazer sentido. Mas quando o assunto é leitura séria, um e-reader é a ferramenta certa. O celular fica no silencioso e com a tela virada para baixo. O computador fica fechado. E durante o tempo em que eu leio, eu não sou interrompido por mensagens pulando na minha cara.

Claro, você pode desligar tudo que mande mensagens em seu tablet, mas a distração está lá, ainda cativando de forma imediata. Todos os seus apps estão a dois cliques de distância em todos os momentos em que você provavelmente ficaria só dando uma olhada pela janela e pensando na vida.

E não podemos nos esquecer de todas as virtudes de um e-reader quando o assunto é hardware. Ele é mais leve, mais portátil, mais durável, tem uma bateria que dura muito mais e uma tela que permite leitura em ambientes claros. Esses pontos positivos sem dúvida são maiores do que o ponto negativo de ter que ter outro aparelho.

Então, sim, quando o assunto é livros, dane-se o tablet. Tenha um e-reader. [NY Times]

Imagem via Lifehacker