Em setembro do ano passado, a Samsung acusou executivos da LG de “destruir deliberadamente máquinas de lavar da Samsung expostas em lojas de varejo em Berlim”, horas antes da IFA 2014. Um executivo da LG foi indiciado por vandalizar as máquinas da Samsung e, buscando apoio popular, a LG liberou uma vídeo análise que mostra imagens do circuito interno que gravou o episódio, alegando não existirem provas suficientes para confirmar tais acusações.

>>> Samsung acusa executivos da LG de vandalizarem suas máquinas de lavar em lojas

Jo Seong-Jin, chefe do departamento de eletrodomésticos da LG, foi indiciado por promotores da justiça de Seul, na Coreia do Sul, por deliberadamente causar danos às máquinas de lavar da Samsung. Além dele, outros dois funcionários da fabricante também foram indiciados por motivos parecidos. No entanto, Ham Yoon-Keun, advogado de Jo, acredita que não existam evidencias o suficiente para confirmar a acusação. Ao Wall Street Journal, ele disse que é questionável dizer que “exista evidência suficiente para provar que o presidente de um empresa global iria deliberadamente destruir máquinas num local onde funcionários da empresa competidora estariam presentes”.

A disputa existe há meses e tentativas de arquivar o caso por meio de mediações não foram bem sucedidas, de acordo com a Reuters. Mas, buscando o apoio da opinião pública, a LG liberou um vídeo com imagens do circuito interno. Nelas, é possível ver Jo e outros funcionários da LG testando as máquinas da Samsung, mas talvez elas realmente não sejam o suficiente para acusar alguém. O material foi editado pela própria LG, mas você pode tirar suas próprias conclusões:

Entenda o caso

Em setembro de 2014 a Samsung pediu ao ministério público de Seul, na Coreia do Sul, que investigasse a acusação de que executivos de uma empresa coreana — a LG, segundo a Associated Press — foram vistos danificando máquinas de lavar roupa da Samsung em um shopping de Berlim, horas antes da IFA. A LG, por sua vez, nega a acusação, dizendo que danificou, sim, uma das máquinas, mas porque as portas de duas delas tinham dobradiças fraca. Após mediação da polícia, os funcionários da LG pagaram o valor de 4 máquinas à Samsung, mas isto não foi o suficiente para impedir o processo.

[The Verge, Reuters, WSJ]