Você já leu sobre seus recursos, viu os convites sendo distribuídos, mas talvez esteja se perguntando o que exatamente o Google Voice pode fazer por você. Eis o nosso guia para os curiosos e os que não foram convidados para essa festa decidirem se seus telefones precisam ou não deste toque de Google.

Nós não vamos explicar tudo quanto é recurso, peculiaridade e opção do serviço Google Voice, que aos poucos está distribuindo convites para aqueles que os solicitam. Nós já demos uma espiadela no Google Voice e o próprio guia de uso do Google Voice faz um belo serviço na explicação das vantagens e desvantagens do serviço. Estamos aqui tentando responder à pergunta que ouvimos com mais frequência dos comentadores de todas as partes, amigos, viciados em tecnologia e praticamente todo mundo: o que eu ganho com isso?

O trunfo: portabilidade de número
Se os boatos forem verídicos, o Google, em algum ponto deste ano ainda, permitirá que você “transporte” ou pelo menos integre o número atual do seu celular com seu serviço, eximindo o sistema dos muitos milhões de números de telefone que o gigante da busca está supostamente obtendo. Isto eliminaria três das maiores barreiras à entrada do serviço:

• Ter que ligar para o Google Voice e depois discar um número para fazer uma chamada “com” o seu número Google, para que assim apareça no identificador de chamadas do receptor
• Ter que armazenar e responder a um número SMS separado para cada um dos seus contatos para que, mais uma vez, o seu número Google apareça
• O tempo e o trabalho de fazer com que seus contatos liguem para você no seu novo número do Google Voice, mesmo com os seus números antigos ainda “funcionando”

Se a portabilidade/integração de números tornar-se um fato, nós certamente teríamos que ajustar a lista de prós e contras, mas, por enquanto, esperamos responder a algumas perguntas feitas com base em testes no serviço na sua fase distribuída somente por convite.

Você pode vir a gostar do Google Voice se você:

Regularmente usa dois ou mais telefones: se você já ouviu algo a respeito de algum recurso do Google Voice, ou do seu antecessor GrandCentral, com certeza foi isso – e não é sem motivo. O Google se destaca por fornecer a você um número de telefone para que outras pessoas tenham, para então permitir que você regule em quais telefones aquele número chamará com um nível de detalhe que beira TOC. Se você quiser que a sua esposa ligue para o número do seu trabalho das 8:00 às 17:00, mas não aquele seu amigo desempregado que fala pelos cotovelos, você pode fazer isso. Se você quiser que a sua linha fixa de casa toque junto com o seu celular quando você estiver na estrada e sua operada cobra você pelo roaming, você também pode fazer isso.

Detesta voicemail padrão: “Favor digitar a sua senha, seguida pelo jogo da velha!”. “Você tem….duas….novas mensagens. Para ouvir suas….” – você já sabe do que se trata. Usar créditos do seu celular e seu precioso tempo só pra ouvir seu amigo dizer “Pô, cê nem taí, depois ligo de novo” é quase tão irritante quanto tentar tirar o ícone de voicemail da tela do seu celular. O Google Voice facilita a reprodução de áudio de voicemail e a leitura de transcrições semicorretas em uma única página da web, além de ser um bom palpite considerar que ele será integrado ao Gmail para acesso ainda mais facilitado. Quando você está distante do seu navegador, o Google Voice envia notificações de voicemail por meio do seu e-mail ou mensagem de texto, o que é ótimo, assim você não precisa sair do seu cubículo e ligar pra sua irmã só pra dizer que você prefere Guaraná Zero e não Coca Zero pro churrasco de domingo.

Gosta de enviar mensagens de texto, mas não dos teclados (e taxas) de celular: para qualquer um que é repreendido pelas suas respostas com mensagens estupidamente curtas ou com texto simplesmente inexistente, este é um recurso que muda a cara do jogo. Quando enviadas para o seu número Google Voice, as mensagens de texto são organizadas no site do Google Voice como se fossem conversas de um chat, com vaivém do diálogo e opções para responder ou marcar como já lida e arquivar. Escrever uma nova mensagem também é fácil – aperte “M” ou clique no botão SMS, comece a digitar um nome ou número de telefone e depois selecione o contato e comece a digitar. Aqueles que possuem iPhones, aparelhos Android ou outros smartphones também podem fazer uso do serviço de mensagens do Google Voice no meio da rua com aplicativos como os já mencionados GV (Android) e GV Mobile (iPhone).

Quer filtros melhores para quem lhe chama e quando: o Google Voice possui quatro níveis de resistência à importunação disponíveis para os reféns mais cansados do celular. Você pode ativar a função “Call Presentation”, assim todo ligador desconhecido é obrigado a dizer o seu nome para o servidor do Google, que então liga pra você e pergunta se você quer aceitar a chamada. Se o incômodo é alguém que você conhece, você move a chamada para um grupo particular (tipo “Incômodos”) e faz com que aquele grupo sempre caia no voicemail. Se eles às vezes ligam para dizer algo importante, o recurso ListenIn do Google Voice permite que você os desloque para a caixa de voicemail, mas ouça o que estão dizendo e atenda a chamada no meio da gravação, caso seja necessário. Se você absolutamente não consegue fazer com que um operador de telemarketing se toque ou que um perseguidor obsessivo pare de amedrontá-lo, o vídeo acima explica como você pode simplesmente fazer com que eles ouçam algo como o bom e velho som de desconexão de chamada.

Adora fazer chamadas VoIP estilo Skype: quer fazer chamadas usando um headset conectado a um computador sem pagar nem um centavo por elas? O Google Voice permite que você acrescente um número de telefone do Gizmo Project e controle quando ele toca. Faça uma chamada pela interface de web do Google Voice, programe-o para ligar para o seu número Gizmo quando  estiver conectado e o outro lado verá apenas o seu número Google Voice padrão – você estará efetivamente fazendo uma chamada para fora de graça – e que por ela o Skype e semelhantes o cobrariam.

 

 

Faz muitas chamadas internacionais: ainda não fizemos um comparativo, mas os preços do Google Voice para linhas fixas e celulares internacionais são supostamente competitivos e você pode chamar diretamente dos seus telefones.

 

 

 

Grava as ligações regularmente (e legalmente): basta apertar o número 4 durante uma chamada e a rainha robótica do Google anunciará “Call recording on”. Neste momento, a gravação só funciona com chamadas que vêm de fora, mas a gravação sai pronta para você reproduzir, baixar ou fazer embed na sua caixa de entrada Google Voice em questão de minutos. Foi assim que eu gravei a minha entrevista telefônica com Jonathan Coulton para futura transcrição e transformação em clipe de áudio.

Tem ou quer ter um telefone Android: iPhones, BlackBerries, modelos Symbian e aparelhos Windows Mobile provavelmente terão aplicativos feitos pelo Google para integração com o Google Voice nas suas interfaces de discagem, voicemail e SMS. Mas os telefones Android já possuem um impressionante aplicativo paralelo para fazer isso, o GV de Evan Charlton, e esta seria uma boa aposta para ser a primeira, ou pelo ficar entre as primeiras plataformas a receber a atenção da equipe do Google Voice. O Google Voice inteiramente integrado significa mensagens SMS gratuitas interligadas a conversas, menos problemas com seus milhares de números de telefones, voicemails que não requerem tempo de conversa e muito mais.

 

 

Você não gostará do Google Voice se você:

Raramente usa o seu celular e/ou mensagem de texto: a menos que você seja daquela rara linhagem de amantes de headset VoIP que nunca fala em um celular, não há muito a se recomendar no Google Voice para o pessoal que foca mais em linhas fixas. O sistema de telefonia do seu escritório oferece (esperamos) a maior parte dos recursos do Voice e os provedores de internet/telefone residencial conseguem preencher as demais lacunas. Ele poderia vir a ajudar aqueles que absolutamente não gostam de digitar textos em um telefone – mas, se for por isso, o e-mail faz a mesma coisa.

Acha que o Google sabe demais sobre você: existe um bocado a se dizer sobre a quebra do monopólio de dados pessoais do Google e a galera mais paranoica agora teriam toda uma nova leva de preocupações com o Google Voice – afinal, seus voicemails, histórico de chamadas e mensagens de texto ficam, em essência, nos servidores do Google, e sabe-se lá por quanto tempo. Não é muito diferente do Gmail – o Google quebrar a confiança de um único usuário poderia fazer com que todo o sistema entrasse em colapso – mas é algo a se pensar.

Não gosta de mexer no Google Contacts: o Google Voice usa o mesmo banco de dados do Contacts, então se a sua inclusão automática de nomes para os quais você já enviou e-mail algumas vezes lhe deixa meio incomodado, bem, então você terá os mesmos resultados do recurso de completação automática do Click2Call do Google Voice. Somente os nomes que você tenha armazenado junto com seus respectivos números de telefone aparecem no recurso de discagem do Google Voice, mas adoraríamos ver uma maneira de programar um número “primário” que seja o default quando você estiver digitando um nome.

Se incomoda com o retardo na voz: os primeiros usuários do Google Voice (eu incluso) notaram um retardo no áudio em certas chamadas. Às vezes ele é bem sutil, como uma conexão de celular meio tosca. Às vezes você e o outro lado ficam se cortando no fim das frases um do outro. O Google certamente já está ciente disto, mas como é um serviço que insere um servidor como intermediário entre os lados da ligação, há uma inevitável latência nas chamadas do Google Voice, assim como há na maior parte das chamadas internacionais. Se você algum dia já experimentou trocar de operadora devido à qualidade da voz ou problemas de conexão, você encontrará um novo antagonista no Google Voice.

Realmente não quer escrever mais um e-mail com o assunto “Mudei de telefone”: como observado acima, há um boato de que o Google estaria se esforçando para oferecer integração/portabilidade de número para o Voice. Enquanto isso, os usuários do Voice precisam pedir para que seus amigos, conhecidos e contatos de negócios gravem um novo número, descubram como lidar com a interface e, pra ser sincero, torcer para que o serviço não seja abandonado tão cedo pelo Google. Se você vive em função da sua disponibilidade e acesso para os outros e não conseguiria suportar a ideia de se atrasar para responder uma única chamada sequer, a troca de números simplesmente não vai rolar. Todas as demais pessoas precisam fazer a chamada.


Qual é o motivo para você realmente não ter se chafurdado no Google Voice até agora, ou realmente querer embarcar nele? Quais recursos ainda falta e onde é que ele é mais conveniente? Queremos ouvir a sua opinião sobre este serviço ainda tão jovem aí nos comentários.