Durante o sexo, as louva-a-deus fêmeas têm a tendência de matar seus parceiros com um golpe decapitante que encheria de orgulho qualquer samurai. Mas como esse chocante novo vídeo revela, perder a cabeça não é motivo suficiente para o macho não dar no couro.

Vale a pena ver este novo vídeo da Deep Look por inteiro, mas, se você quiser, pode pular direto para a marca dos 3:00. A fêmea corta a cabeça do macho durante o estágio de cortejo, mas zumbi excitado como ele é, o macho, sem cabeça, continua acasalando com a fêmea, montando sobre ela e entregando o esperma que vai fertilizar seu óvulo.

Como explicado no vídeo, o corpo do macho ainda está sendo controlado por nervos em seu abdome e “ainda consegue concluir o trabalho”.

Os biólogos se referem a esse comportamento como canibalismo sexual, e as louva-a-deus fêmeas não fazem isso por despeito ou algum tipo de ato aleatório impensado. Um estudo da Universidade Estadual de Nova York em Fredonia no ano passado mostrou que os machos que são consumidos por suas parceiras na verdade estão em vantagem reprodutiva. Da perspectiva de um “gene egoísta”, isso é na verdade uma boa notícia para o macho. Como o estudo mostrou, as fêmeas que comem seus parceiros conseguem produzir duas vezes mais óvulos do que as que não comem.

É claro, os machos que sobrevivem ao acasalamento reproduzem múltiplas vezes com outras parceiras, então claramente existe alguma tensão evolutiva aqui. Como o vídeo mostra, a biologia é uma bagunça e nunca está satisfeita com uma só abordagem à sobrevivência.

[Deep Look/PBS Digital Studios/KQED via Digg]

Imagem do topo: Reprodução