O site PC Authority passou os novos MacBooks Pro de 17 polegadas com processador Core i7 pelos benchmarks de sempre. Daí os laptops ficaram quentes e uma série de erros estranhos começou a acontecer.

Eles só conseguiam completar os testes se virassem o MacBook de lado. O problema tinha que ser aquecimento.

Então a PC Authority fez mais testes (tanto no BootCamp como no OS X) enquanto monitoravam a temperatura da CPU. Céticos quanto aos resultados, eles deixaram o sistema desligado de um dia para o outro, e fizeram os testes de novo.

Nos dois casos, o CineBench — teste que usa o processador ao máximo — conseguiu aquecer o Core i7 a temperaturas de cerca 101°C. Isso é mais que o ponto de ebulição da água.

Quando os testes foram repetidos em um Fujitsu Lifebook SH 760 (com o mesmo processador i7, mas com um cooler de cobre que dissipa o calor pelo lado de um chassi de plástico), a CPU chegou a 81°C em potência máxima.

Sim, a PC Authority diz que, no uso diário, o processador só chegou a até 90°C (ainda mais alto que o Fujitsu a 100%) — mas aí é que está: o MacBook Pro 17" não é um computador que você compra para uso diário. Você usa para ter uma central de processamento potente e móvel. É difícil imaginar profissionais que não vão lidar com esses problemas de superaquecimento. E vendo os resultados no modelo de 17 polegadas nos faz pensar: como é que o modelo menor, de 15 polegadas, vai lidar com o calor? [PC Authority]