Motorista escrevendo SMS enquanto dirige está virando coisa bastante corriqueira no mundo, mesmo sendo algo ridiculamente perigoso. Aqui no Brasil também há um bocado de gente dirigindo e falando no celular (ou no fone ou pelo viva-voz). Mas essa operação multitarefa possivelmente ficará menos atraente e mais cara: um projeto de lei pode fazer com que dirigir usando o celular passe a virar multa gravíssima. E quando eu leio a palavra "gravíssima" eu acho que o assunto é bem sério.

Hoje, quem usa celular ao volante paga R$ 85,13 de multa e perde 4 pontos na carteira. Virando multa gravíssima, os valores vão para R$ 191,94 e 7 pontos. A multa ainda é baixa, mas o castigo são os pontos: você fica mais próximo de perder a carteira, e reaver uma CNH suspensa custa dinheiro e é um saco.

A ideia foi apresentada pela deputada Rita Camata em junho, e faz parte de um pacote de mudanças para o Código Brasileiro de Trânsito (CBT), que envolve aplicar a Lei Seca mesmo para quem recuse o teste do bafômetro, proibição de motos circularem entre veículos, entre outros.

Pelo novo CBT, só usar o celular com as mãos será infração gravíssima: usar celular pelo fone ou viva-voz enquanto se dirige permanece uma infração média. Hoje, qualquer uso de celular é passível de punição, o que faz sentido se você pensar que o CBT foi feito em 1997, quando a adoção de celular no Brasil era baixíssima. Mas hoje ele está em todas as partes da nossa vida, e é cada vez mais polêmico exigir por lei que não usemos o aparelho no trânsito. Será que uma campanha para usá-lo de forma responsável resolveria?

A proposta será considerada pela Comissão de Viação e Transportes (CVT) na semana que vem, mas ainda precisa ser apreciada por outras três comissões, antes de chegar à Câmara para ser votada e virar lei (ou não). Tudo isso pode demorar um pouco: a proposta deveria ter sido votada na CVT em outubro. Espero que, no fim, o novo CBT se adeque melhor à realidade, para não virar letra morta. [JT e Info; imagem via djwingsia]