O supercomputador Santos Dumont, em Petrópolis, no Rio de Janeiro, é o maior da América Latina e está entre os 500 mais potentes do mundo. É uma ferramenta importante para o desenvolvimento de pesquisas no Brasil. E, em um momento em que a ciência brasileira sofre uma crise financeira, ele pode acabar sendo desligado.

• Governo corta projetos de energia limpa por economia minúscula
• Juiz suspende medida e determina que Congresso deve avaliar extinção de reserva nacional

Como informa o G1, o Governo Federal cortou 44% do orçamento de 2017 do Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC), onde fica o supercomputador. Em vez dos R$ 16 milhões previstos, o LNCC receberá R$ 9 milhões neste ano. O orçamento inicial já era bastante restrito, suficiente apenas para as contas e a manutenção da instalação. Sozinhas, as contas do supercomputador custam R$ 6 milhões por ano, por exemplo. Mensalmente, a conta de luz do LNCC custa aproximadamente R$ 400 mil, dos quais R$ 280 mil correspondem apenas ao supercomputador.

O Santos Dumont foi inaugurado em janeiro de 2016, custando R$ 60 milhões ao Ministério da Ciência e Tecnologia. Com capacidade de processamento de 1,1 petaflops, ele trabalha com projetos que exigem grande poder computacional, incluindo pesquisas sobre o vírus zika, mal de Alzheimer e camada pré-sal.

O supercomputador consiste em três diferentes módulos: o Santos Dumont CPU, com 18.144 núcleos de processadores Intel Xeon; o Santos Dumont GPU, com 10.692 núcleos da Intel e da Nvidia; e o Santos Dumont Hybrid, com 24.732 núcleos Xeon e de coprocessadores Xeon Phi. Todos eles presentes na lista de 500 supercomputadores mais rápidos do mundo.

Segundo o G1, no momento, o LNCC tem 350 pessoas trabalhando para a instituição, 75 delas pesquisadores e professores, 110 alunos e 100 terceirizados, número que é então completado por prestadores de serviço, bolsistas e estagiários. O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações afirma estar trabalhando para recuperar o orçamento originalmente previsto para o LNCC em 2017.

Em junho do ano passado, como contamos aqui no Gizmodo, o supercomputador chegou a ser desligado por falta de dinheiro para pagar a conta de luz.

[G1]