Em algo digno de um novo episódio de Black Mirror, quase meio milhão de marca-passos produzidos pela St. Jude Medical passam recall nos Estados Unidos – os aparelhos são vulneráveis a ataques hacker que podem controlar a velocidade do dispositivo ou descarregar sua bateria.

O FDA, agência reguladora de farmacêuticos do país, estima que 465 mil marca-passos da St. Jude Medical implantados em pacientes sofrem com da vulnerabilidade, segundo informações do The Verge. Hackers poderiam usar aparelhos comuns, que custam de U$ 15 a U$ 3.000, para modificar a programação destes dispositivos, colocando em risco a vida de pacientes.

O aparelho é um tratamento usado por pacientes com arritmia cardíaca, uma condição do coração que ocorre quando os impulsos elétricos do órgão não funcionam de forma adequada, podendo deixar a frequência cardíaca muito rápida ou muito lenta. O dispositivo possui bateria que pode durar por até nove anos, dependendo do fabricante, e para trocá-la é necessário passar por uma nova cirurgia.

Mas ao invés de obrigar os pacientes a sofrerem uma nova cirurgia para fazer a troca, a fabricante irá apenas atualizar o firmware destes marca-passos por Wi-Fi.

Entretanto, os vovôzinhos que precisarem atualizar os aparelhos que os mantêm vivos não poderão fazer a atualização diretamente de casa, terão que fazê-la em centros médicos adequados. Mas é claro que nem tudo é tão simples: existe ainda a possibilidade do aparelho deixar de funcionar durante o processo – a fabricante recomenda que os pacientes avaliem os riscos e benefícios da atualização do dispositivo com um médico.

Então, a não ser que você tenha muitos inimigos pessoais, seja uma importante figura política ou o seriado distópico tenha te deixado com muito medo do futuro tecnológico, acho que não existem muitos motivos para se preocupar.

Eu, no entanto, mal posso esperar para ver uma grande fila de vovós ciborgues esperando ansiosas para serem atualizadas.

Imagem de topo: Travis Goodspeed/Flickr

[The Verge]