No auge da Segunda Guerra Mundial, o aço estava em falta, e não havia nada a ser feito além de inventar um substituto. Uma proposta feita foi o chamado Pykrete, uma mistura de gelo e serragem que derretia bem devagar. A ideia foi descartada quando a guerra acabou – mas agora um grupo de arquitetos e engenheiros holandeses estão revivendo o plano. De uma forma muito, mas muito maior.

Em primeiro lugar, um pouco de contexto. O Pikrete foi criado por um inventor britânico chamado Geoffrey Pyke. Ele estava convencido de que essa era uma boa opção para substituir o aço: uma mistura especial com cerca de 14% de serragem e o restante de água. Quando congelado, o fluido especial formava um material híbrido incrivelmente forte que não derretia e era resistente.

qtryhdgtm6nj6e3gesjzUma renderização para um navio feito com pikrete. Via

 

O governo britânico chegou a considerar usar o material para construir um porta-aviões. Mas quando a guerra acabou, a novidade de Pyke foi deixada de lado, mesmo que não tenha sido completamente esquecida (os Caçadores de Mitos fizeram um episódio sobre isso).

Entra em ação a Universidade de Tecnologia de Eindhoven, onde estudantes e professores estão ressuscitando o pykrete para ser usado em arquitetura. No ano passado, uma equipe construiu o maior domo de gelo do mundo com essa coisa (confira o incrível vídeo de making of aqui).

g71mlrtsq7okotjtdbonImagem: Joep Rutgers.

Usando um domo inflável, eles conseguiram borrifar quantidade suficiente da mistura na superfície, a ponto de criar um domo que se manteve de pé por conta própria.

piwdbanwviazpd0olulh

i7kf5bmax1cdfokrhvhcImagem de cima: Bart van Overbeeke/PykreteDome. Imagem de baixo: Joep Rutgers.

Agora eles dizem que estão prontos para levar isso adiante. Desta vez, eles vão fazer uma réplica da Sagrada Familia de Barcelona em pykrete. “Podíamos apenas ter decidido fazer outro domo maior”, disse o professor Arno Pronk. “Mas em termos de construção, a Sagrada Familia é um desafio muito maior. E obviamente será bem reconhecível.”

xzmamtlcqcdu1rhtwyyqUm modelo do projeto.

Nos próximos meses, uma equipe com 50 pessoas começará a colocar o plano em prática ao desenvolver um molde inflável do museu no norte da Finlândia. Depois, eles vão cobrir tudo com neve e jogar a mistura de água e serragem por cima – e isso congelará formando o misterioso pykrete, que é três vezes mais resistente do que o gelo normal.

O projeto vai começar pra valer em setembro, quando a temperatura cai em Juuka, um dos lugares mais frios da Europa. Pronk está preocupado: Juuka teve um dos invernos mais quentes em registro no ano passado, o que pode prejudicar o projeto se ocorrer novamente esse ano. Ficamos na torcida por um inverno muito frio. [GizMag]

Imagem de topo: Bart van Overbeeke/PykreteDome.