Tal qual a Nokia, hoje a Microsoft também abriu para seus acionistas (e curiosos) os resultados financeiros do trimestre encerrado dia 31 de março. Só que diferente dos finlandeses, as notícias vindas de Redmond são bem boas: recorde de faturamento com praticamente todas as divisões deram lucro (a do Windows inclusive subiu). Mas como nem tudo são flores, a do Xbox e Windows Phone, sempre sinônimo de azul, foi a exceção.

No geral a Microsoft faturou US$ 17,41 bilhões e, tirando gastos e outras despesas, teve lucro de US$ 5,11 bi. O faturamento estabeleceu um novo recorde e foi 6% maior que o do mesmo período do ano passado, com a divisão de negócios, onde está o Office, mais uma vez representando a maior fatia de faturamento da empresa — US$ 5,81 bilhões.

Outros destaques incluem a divisão de Windows e Windows Live, que fazia alguns trimestres oscilava entre a neutralidade e tímidas perdas, agora com uma notável melhora fechando com lucro operacional de US$ 2,9 bilhões. Outra que fez Ballmer sorrir de orelha a orelha foi a de servidores e ferramentas, com o maior aumento na lucratividade entre trimestres, de  US$ 1,35 bilhões para US$ 1,7 bi neste. Até a divisão online, que é uma sangria de dinheiro há anos para a Microsoft, deu menos prejuízo dessa vez (“apenas” US$ 497 milhões, contra US$ 776 milhões em 2011).

A surpresa negativa foi a piora na Divisão de Entretenimento e Dispositivos, lar do Xbox 360 e Windows Phone. Há uns bons anos ela tem sido sinônimo de lucro, mas fechou o terceiro trimestre fiscal de 2012 com perdas de US$ 229 milhões. Mesmo se mantendo no posto de console mais vendido pelo 15º mês seguido, o Xbox 360 vendeu metade em relação ao mesmo período de 2011, 1,4 milhões de unidades contra 2,7. Mesmo com a LIVE ajudando, pagamentos de “iniciativas estratégicas” à Nokia, aumento nos investimentos em pesquisa e desenvolvimento e outras despesas derrubaram os números da divisão para o vermelho. [Microsoft via WinSuperSite. Foto: david__jones/Flickr]

Tabela de faturamento e lucros da Microsoft.