Ontem, sem a menor cerimônia, o Google desativou o app do YouTube feito pela Microsoft para o Windows Phone. Este tipo de briga entre empresas acontece de tempos em tempos, e geralmente se resolve sem prejudicar muitos usuários. Mas dessa vez, a Microsoft quebrou o silêncio.

Em seu blog oficial, a Microsoft explica toda a situação, e não coloca o Google numa posição muito boa.

O Google não desenvolve apps para o Windows Phone porque eles acreditam que a plataforma móvel da Microsoft não tem usuários o bastante para isso valer a pena. E não ajuda o fato de que a Microsoft é um concorrente importante em várias áreas importantes nas quais o Google atua.

Por isso, a Microsoft colocou a mão na massa e criou um app do YouTube. Aí o Google desativou o app. Claro que a Microsoft não gostou:

Sabemos que isto tem sido no mínimo frustrante para os nossos clientes. Nós sempre tivemos um objetivo: oferecer aos nossos usuários uma experiência do YouTube no Windows Phone com o mesmo nível encontrado no Android e iPhone. As objeções do Google ao nosso app não só são incompatíveis com o próprio compromisso do Google de ser aberto, mas também envolvem requisitos para um app de Windows Phone que não são impostos à sua própria plataforma ou à da Apple (ambos usam o Google como mecanismo de busca padrão, claro).

(Ênfase nossa.) O Google não jogou justo com a Microsoft, mas talvez tenha ido longe demais ao exigir que o código do app do YouTube fosse feito em HTML5. A Microsoft analisou a situação, mas decidiu que isso daria muito trabalho:

No fim, experts de ambas as empresas reconheceram que criar um app do YouTube com base em HTML5 seria tecnicamente difícil e demorado, e assumimos que este seja o motivo para o YouTube ainda não ter feito a conversão nos seus apps para iPhone e Android.

Não só os engenheiros do Google concordam que fazer o app em HTML5 seria muito difícil, como eles nem fizeram isso no próprio app do YouTube. Por isso, a Microsoft simplesmente publicou o app não feito em HTML5, que o Google rapidamente desativou.

O novo app mantinha os anúncios nos vídeos (e retirou a função de baixar os vídeos para visualização offline). Mas o Google alega que o app precisa rodar HTML5 para exibir anúncios de forma adequada. Para a Microsoft, isso é só desculpa, e diz isso com mais franqueza do que estamos acostumados a ver de empresas multibilionárias:

Parece-nos que as razões do Google para bloquear nosso app são fabricadas para não darmos a nossos usuários a mesma experiência que usuários do Android e iPhone estão recebendo. Os obstáculos que o Google colocou são impossíveis de superar, e eles sabem isso.

E é por isso que os usuários do Windows Phone perderam o app do YouTube:

Para nós, está claro que o Google simplesmente não quer que os usuários do Windows Phone tenham a mesma experiência que os usuários da Apple e Android, e que suas objeções não são nada mais que desculpas. No entanto, estamos empenhados em oferecer aos nossos usuários a experiência que eles merecem, e estamos dispostos a trabalhar com o Google para resolver quaisquer preocupações legítimas que eles possam ter. Enquanto isso, mais uma vez solicitamos que o Google pare de bloquear nosso app do YouTube.

Esperamos que as duas empresas resolvam isso em breve, para que os proprietários de Windows Phone tenham seu app oficial – mesmo que haja boas alternativas de terceiros. Nesse meio tempo, elas terão que escancarar a disputa em seus blogs corporativos. [Microsoft]

Quer aprender, descobrir e conhecer mais sobre desenvolvimento de apps e jogos? Então sugerimos que você visite o site do Short Stories Live, o primeiro evento do Gizmodo e do Kotaku no Brasil, sobre o novo PIB digital. Leia mais:www.sslive.com.br