Parece haver pouca coisa que o grafeno não possa fazer. Estudos anteriores já mostravam que esta substância – a mais fina e forte que existe – consegue se consertar com um pouco de ajuda, seja com calor ou pressão. Mas uma nova pesquisa sugere que o grafeno pode regenerar falhas em sua estrutura sem a ajuda de ninguém.

Cientistas na Universidade de Manchester – incluindo Konstantin Novoselov, que dividiu o Nobel de Física por descobrir o grafeno – mostraram que ele consegue absorver átomos soltos de carbono próximos a ele, para assim consertar falhas em sua estrutura. Os átomos simplesmente se encaixam no grafeno de forma perfeita, sem deixar irregularidades na superfície.

E os pesquisadores descobriram isso por acidente. Eles tentavam entender como e por que se formavam buracos em lâminas de grafeno quando eles acrescentavam terminais metálicos ao material. Para surpresa deles, quando átomos livres de carbono chegavam perto das falhas, eles as fechavam.

A descoberta, publicada no periódico Nano Letters, é tanto incrível como bastante útil. Como o grafeno é muito fino – apenas uma camada de átomos de carbono – ele pode ser facilmente danificado. A pesquisa sugere que pode ser possível reparar danos no grafeno mais rapidamente, e de forma controlada, usando átomos de carbono. [Nano Letters via BBC]

Imagem por CORE-materials/Flickr