Houve muito falatório sobre o "tablet" N900 Maemo da Nokia, especialmente sobre o fato dele ser curiosamente parecido com um telefone. Mesmo que a Nokia (inexplicavelmente) voltasse atrás no seu anúncio oficial, isso é exatamente o que ele continuaria sendo: um telefone que parece incrível.

Além daquele sistema operacional Maemo Linux que a gente vem implorando para a Nokia trazer aos telefones, o N900 é, como os portáteis da Nokia tendem a ser ultimamente, um belo pedaço de hardware. Tem uma tela WVGA resistiva de 3,5", teclado QWERTY slider, processador ARM Cortex 8, 256MB de RAM e 32GB de memória inteira, assim como um slot MicroSD para expansão, GPS, transmissor FM, câmera de 5 megapixels e saída de áudio 3,5mm.

Já que o Maemo é baseado no Debian Linux, a oferta de aplicativos deve ser interessante. O N900 já virá com Firefox (Fennec, chuto eu), suporte a Flash e um sistema de multitasking baseado em painéis, assim como integração amarradinha com VoIP e suporte quase total a codecs de áudio e vídeo.

O Maemo é novidade no contexto de telefones, mas ele parece fantástico aqui — eu vejo pedaços de Palm Pre, pedaços de Android e um bom pedaço de criatividade da própria Nokia. Mais do que tudo, eu estou louco para encostar nesse negócio. Tente ficar empolgado assim pelo N97. Não dá. Talvez a Nokia não esteja mais fadada ao fracasso! O Nokia N900 vai ser lançado em "mercados selecionados" — todos os quais infelizmente parecem usar o Euro como moeda local — por 500 Euros. Cerca de US$ 700. [Nokia via BGR]