A Pixar é um lugar mágico. Eles têm salas secretas, estoque quase infinito de leite e cereal, e uma bela render farm com 12500 oompa loompas núcleos de processador que levam em média 11 horas e meia para renderizar cada frame de seu filme mais recente: Carros 2.

CNET fez uma longa reportagem sobre os bastidores tecnológicos do filme, que traz alguns detalhes impressionantes. Quando a equipe começou a trabalhar no filme – em 2006! – eles perceberam que uma das maiores sequências seria em mar aberto e decidiram evoluir a maneira de animar água. Eles testaram uma série de novos sistemas para água e acabaram aplicando um modelo matemático de onda chamado de Tessendorf, que permitiria a criação de ondas – e mar agitado, necessário para algumas cenas com os barcos, que também são personagens nesse filme. Apurva Shah, o diretor de supervisão técnica de Carros 2, explica melhor os detalhes:

“Normalmente a água nos filmes é tratada como uma superfície. Ela pode ter alguns detalhes, mas é em sua maior parte como uma superfície 2D. Nós quisemos tratar a água como volume. Então quando as luzes penetram na água, passa essa sensação de ter volume.”

Ele também fala sobre como a inovação não vem pela pura vontade de aumentar a pirotecnia, mas de uma necessidade técnica e da vontade de trazer mais realismo – mesmo em um filme com personagens cartunescos.

“Nos não partimos da ideia de fazer algo novo. Nós olhamos para os storyboards […] e onde nós achamos que a tecnologia existente não nos dava o que precisávamos, nos tentamos leva-la além […] Isso parte do princípio de o que queremos colocar na tela, e quais ferramentas estão faltando.”

Mas claro que a água não é a única culpada nesse caso para um investimento tão grande – eles precisaram triplicar o tamanho da render farm para esse filme. Os carros, ou melhor, o reflexo da pintura dos carros está ainda mais realista e detalhado. Além de alguns efeitos como fumaça, explosões, balas colidindo com objetos e muito mais.

Carros 2 parece que vai encher os olhos de quem realmente curte animações bem feitas e super detalhadas, mas para a maior parte do público, provavelmente o que vai realmente fazer diferença é que a magia da Pixar continue também nas histórias cativantes que fazem derreter até quem tem coração de pedra. [CNET]