Hoje, o Steve Ballmer deu uma passadinha na Universidade de São Paulo pra falar sobre o futuro da computação em nuvem. De quebra, ele anunciou o novo Windows Live Messenger, e pudemos vê-lo em ação. Dentre as novidades, além da integração com redes sociais, se destacam o compartilhamento de fotos e vídeos direto na janela de chat e algo que desejo há anos no WLM — ficar invisível para certas pessoas, mas não para todo mundo.

Esta foi a primeira novidade apresentada pela Carolina Aranha, gerente de marketing da Microsoft. É algo interessante: afinal, tem sempre alguém na lista de contatos com quem você não quer muito conversar. Ou quem sabe, você queira ficar temporariamente invisível pros seus amigos, quando estiver usando o MSN a trabalho. A solução que eu usava até agora era bloquear a pessoa para ficar invisível só para ela, e depois desbloquear: agora isso será uma função do próximo WLM, e poderá ser aplicada tanto a pessoas como a grupos.

E se você estiver online, mas quiser falar com alguém mas ele(a) estiver offline? Hoje você pode deixar uma mensagem em texto offline; na próxima versão, você poderá deixar uma mensagem em vídeo. Você grava o vídeo com sua webcam, e assim como a mensagem em texto, o vídeo aparece da próxima vez que seu contato ficar online, na tela de chat. Assustador. Legal.

Aliás, a tela de chat parece mais uma central de conteúdo: na demonstração, um brasileira e um "argentino" (Pedro Bojikian, gerente de produto da Microsoft e brasileiro) estavam conversando no Messenger por vídeo sobre quem vai ganhar a Copa. Enquanto faziam o videochat, eles compartilharam fotos pelo Windows Live SkyDrive e puderam vê-las em um slideshow, direto na tela de chat. O vídeo em alta definição — porque o WLM dará suporte a webcams HD — estava onde hoje ficam as conversas em texto, e ele se deslocou para a esquerda para dar espaço às fotos. Eu curti: sua experiência no WLM não é mais interrompida quando quiserem mostrar fotos, e elas ficam na nuvem, podendo ser acessadas de qualquer lugar com internet — em vez de ficarem perdidas em alguma pasta do seu computador.

Outra coisa legal é compartilhar vídeos do YouTube: eles rodam direto na tela do chat também, e você continua a experiência no mesmo lugar. Na demonstração, eles ainda fizeram busca no Bing também direto na janela do chat (será que dá pra colocar o Google também?). Ou seja, a ideia central é fazer você ficar no WLM, em vez de ir para o navegador. Claro, tudo é renderizado com o internet Explorer, e pra maioria do pessoal que lê o Gizmodo, fãs do Firefox, Chrome e Safari, isso talvez seja um inconveniente.

Eles ainda disseram que a janela de chat vai ganhar abas, para organizar suas conversas no Messenger em um lugar só, em vez de trezentas janelas abertas na barra de tarefas. Isso já existe em alternativas ao Messenger, mas é bom ver que ele chegará no produto oficial também.

É provável que você consiga usar o WLM apenas como chat, com essas funcionalidades a mais. Mas e a integração com outras redes sociais? Esta foi a última função apresentada, e parece ser bem legal mesmo: seus amigos integram os perfis de redes sociais no Messenger, e ele mostra fotos, vídeos e atualizações de status de forma até organizada. Haverá um filtro para que só as atualizações de quem você realmente se importa apareçam no painel à esquerda, mas eles não mostraram como será feita essa separação.

Passando o mouse nas fotos, elas reagem e a imagem começa a deslizar dentro da moldura, mostrando mais detalhes — enfim, é bem bonito. Na apresentação, quando clicaram em uma foto o navegador não abriu: em vez disso, surgiu um slideshow com as fotos que a pessoa enviou para a rede social — mais uma vez, o WLM quer que sua experiência fique dentro do programa.

Há um problema: muita gente substitui o Windows Live Messenger atual porque ele gosta de comer um bocado da memória RAM. E o Brasil, o país que mais gosta do WLM no mundo, não é conhecido por ter computadores muito potentes. A dúvida é sobre o quanto que essas novas funcionalidades terão impacto no desempenho do PC. Ainda não temos respostas.

No geral, o próximo Windows Live Messenger vai ficar cada vez mais atrelado à nuvem e cada vez mais autônomo do navegador, mas precisaremos testá-lo para dar um julgamento adequado. Ele estará disponível em data ainda não definida, mas entrará em beta fechado nas próximas semanas, apenas para algumas pessoas. Se você quiser conhecer mais, dê uma olhada neste vídeo de apresentação.