A NSA, envolvida no escândalo de espionagem dos EUA, faz de tudo para ficar de olho no mundo, chegando a interceptar computadores para instalar grampos neles. Agora, o New York Times sugere que a agência usa tecnologia de rádio para espionar 100.000 computadores que não estão conectados à internet.

De acordo com o NYT, a NSA vem usando uma tecnologia chamada Quantum desde 2008. Ela usa “um canal secreto de ondas de rádio que podem ser transmitidas a partir de minúsculas placas de circuitos e placas USB, inseridas sorrateiramente em computadores”.

As ondas de rádio são “enviadas para uma estação de retransmissão, com o tamanho de uma maleta, que as agências de inteligência podem configurar a quilômetros de distância do alvo”.

O jornal explica que essa tecnologia não está sendo usada dentro dos EUA, e sim para espionar grupos de hackers militares da China e Rússia, além de cartéis mexicanos de drogas, “instituições comerciais” europeias e supostos terroristas. Dito isto, ele foi inicialmente utilizado para mapear o funcionamento interno da usina de enriquecimento de urânio de Natanz, no Irã. Isso foi antes de desenvolverem o worm de computador Stuxnet, que os EUA usaram contra o Irã.

O NYT aponta que a tecnologia vem ajudando a resolver o que antes era uma grande dor de cabeça: entrar em computadores de adversários que, aparentemente, foram pensados para resistirem a qualquer ataque. O Quantum ainda requer um espião fisicamente próximo ao computador, claro, mas isso é melhor do que nada – e, pelo visto, funciona mesmo. [New York Times]