Depois de trazermos o camarada Rodrigo Ghedin pra casa, completamos a reforma hoje, reorganizando as cadeiras aqui para ter certeza que o Giz que todos amamos vai ficar ainda mais legal. E é com bastante alegria que anunciamos Leo Martins, o jornalista já veterano da casa que gosta da orelha do Mickey, como editor-chefe deste nosso espaço. Abraço coletivo no Leo, galera!

Mas quem é Leo Martins, senhoras e senhores? Leo é um cara que eu achei na INFO há exatamente dois anos. Lendo as reportagens dele vi que ele conhecia um bocado de tecnologia e pelo Twitter dava pra sacar que era bem engraçado e espirituoso – mas aquele formato de revista quadradão limitava o potencial de texto do rapazote. Ele aceitou de cara o convite e o site ganhou um bocado com os textos dele. E há uma semana ele aceitou um outro convite: assumir o comando do barco que ele conhece tão bem. Agora, na edição, o Leo vai continuar escrevendo também, mas ficará com outras grandes responsabilidades, como a pauta, comentários, relação com as assessorias, edição e tudo o mais. Cansa um bocado, mas é bem sensacional, vou dizer. Ou pelo menos consegui o convencer disso. Além de ser dos caras mais gente boa e engraçados que conheço, o Leo tem ideias bem diferentes e um senso crítico aguçado, além de mais energia. Isso significa, na prática, que o Giz tem tudo para melhorar nas mãos dele.

Ah, sim, tudo isso significa que eu não sou mais editor-chefe. Essa é a hora de fazer aquele post choroso, dizer como comandar o Giz foi o meu emprego dos sonhos em jornalismo, e como decidir largá-lo não foi exatamente fácil. Mas eu não vou exatamente embora. Nos próximos meses vou continuar escrevendo aqui os posts longos que eu gosto tanto, enquanto eu tiro mais ou menos uma licença para terminar o livro que estou escrevendo (que estou muitíssimo empolgado!). Ao mesmo tempo, vou usar o que aprendi aqui no Giz para ajudar os outros blogs da casa a crescerem ainda mais. A nossa família é bem grande e vai aumentar um bocado este ano.

Passando frio na última CES em Las Vegas

Como isso não é uma despedida completa, vou manter a retrospectiva curta. Entrei no Gizmodo uma semana antes de ele começar, em 2008 e virei editor-chefe em março de 2009. Sou bem orgulhoso do trabalho que fiz por aqui. Quando assumi, tínhamos uma quantidade de posts bem maior, mas muitas traduções. Aumentamos tanto a participação das coisas Made in Brazil a ponto de praticamente aposentarmos aquele selo – e a audiência cresceu 7 vezes. Demos cada vez mais espaço a análises aprofundadas ou coisas engraçadas feitas por aqui. Conseguimos furos importantes, cobrimos os principais eventos internacionais e passamos a ser tratados como “veículo” pelas assessorias. Fomos levados a sério pelas empresas, sem perder a independência ou irreverência.

E além de ajudar a modelar a cara brasileira do Giz, escrevi algumas coisas que fico feliz de ver no currículo, desde alguns reviews importantes, como do Milestone, lá atrás, Xperia X10, o primeiro iPad, o HTC Ultimate a coisas longas, sejam premiações engraçadinhas, ou temas importantes, da bicicleta como transporte público ao problema do Confirmation Bias em eleições.

Como disse, vou continuar ajudando o Giz de várias maneiras. Há muitas pautas bacanas que não tive tempo de tocar antes, que se materializarão aqui nos próximos meses. Darei uma força na parte de vídeos também (volta, Gizmodo em vídeo!) e rádio, e comentando de quando em vez. Se você tiver alguma dúvida mais elaborada ou sugestão, pode mandar por email pra mim ou lá no Twitter.

Há toda aquela lista de pessoas a agradecer (a começar pela Nina, minha namorada), mas bem, antes que cortem o meu microfone, vou direto a quem é mais importante. Obrigado a todos vocês que leram o Gizmodo, silenciosamente ou comentando, espalhando a mensagem, dando dicas e usando o nosso blog aqui como casa ou página inicial. Vários viraram amigos e todos ajudaram a fazer com que não só meu trabalho melhorasse, mas que o Giz virasse o que virou. E eu sou muito, muito grato por isso. Obrigado e até logo mais!