O primeiro concorrente sério ao Apple iPad está chegando com uma equipe bastante provável. De acordo com Lowell McAdam, CEO da operadora movél americana Verizon — que lançou o Milestone/Droid nos EUA, levando o Android a outro patamar em vendas — a operadora está trabalhando com o Google em um tablet. Isso vai ser divertido.

A reportagem do Wall Street Journal dá um mínimo de detalhes, mencionando nada além do fato que a Verizon quer um tablet, e agora está trabalhando com o Google. McAdam diz:

Estamos considerando todas as coisas que o Google tem em seus arquivos que possamos colocar em um tablet, para torná-lo uma ótima experiência.

Eu acho que essa frase não saiu direito, mas vou dar um chute e supor que a parceria é relativamente nova, e que nenhuma das duas empresas sabe quais serão os próximos passos. Mas espero, pelo bem das duas empresas — e pelo nosso bem — que o Google e a Verizon criem o melhor Android tablet possível, e que o Chrome OS seja posto de lado até ficar, bem, melhor.

Vamos brincar um de cenário otimista/cenário pessimista? Sim!

Cenário otimista

O Google está pronto para provar que sabe fazer bons tablets, e a Verizon quer uma resposta ao iPad, vendido exclusivamente por outra operadora móvel, a AT&T (que também vende o iPhone). É shakesperiano, quase, um pouco! Em meses, a AT&T e a Verizon vão se apaixonar, e depois cometer suicídio, devido a um mal-entendido que era fácil de se evitar. Não, peraí, estou falando da peça errada. Eu queria aquela onde TODO MUNDO LUTA COM TODO MUNDO, e é fenomenal. Isso pode levar ao seguinte:

  • Um tablet com Android lançado com o apoio de uma grande operadora nos EUA, e possivelmente uma fabricante de hardware bem conhecida (Motorola?)

  • Um tablet já daqui a seis meses

  • Um plano de dados da Verizon com preço interessante, que vai precisar competir com a oferta à la carte nova (mas falha) da AT&T

  • Uma ofensiva contra outros tablets, especificamente um da HP com o webOS, sistema operacional da Palm

  • GUERRA

Cenário pessimista

Às vezes o Google perde o foco. Às vezes a Verizon não sabe o que faz. Com esses "poderes" combinados, poderíamos acabar tendo:

  • Um tablet com Chrome OS. Tablets só com internet não são assim tão legais quanto você pensa. O Google e a Verizon precisam acabar com o iPad, não com o JooJoo. Lembra-se deste conceito com o Chrome OS? Meh. O Eric Schmidt supostamente disse que o primeiro Google tablet rodaria Android, mas vai saber.

  • Uma demora imensa. O Android foi anunciado em novembro de 2007, o que foi interpretado (corretamente) como uma manobra do Google para concorrer com o iPhone. O problema é que o primeiro smartphone com Android, o T-Mobile G1, só foi lançado um ano depois. Este tablet precisa chegar ao mercado bem antes da segunda geração do iPad, e pelo menos tão rápido quanto o tablet com webOS que a HP está supostamente fazendo.

  • Um plano de dados ruim. A Verizon pegou o promissor Microsoft Kin e o estrangulou com um plano de dados absurdo para o que não passa de um dumbphone esperto. Um contrato tradicional, ou um plano de dados caro demais, poderia matar o tablet.

  • Um Android tablet mal acabado. O iPad tem problemas, a maioria dos quais o Android pode evitar — mas que poderiam estar presentes no Android, se o Google não prestar atenção. Estou falando de um melhor suporte a formatos de mídia, compatibilidade com acessórios e um app de sincronização que exista, mas que não seja necessário para que o tablet funcione.

Claro, tudo isso pode ser apenas uma estratégia de negociação da Verizon — uma resposta ao fato de que eles não poderão vender nem o iPad nem o iPhone — um mal-entendido motivado por um executivo que não tem visão clara das coisas acontecendo na empresa, ou um mero boato. Mas eu quero acreditar. Eu preciso. [Wall Street Journal]