O novo iPad esquenta mais do que o iPad 2. O novo iPad tem um processador enorme, por isso ele esquenta tanto. O novo iPad é capaz de fritar um ovo. Entre verdades, exageros e devaneios, o caso do novo iPad ser quente demais ganhou destaque. Mas é hora de dar contexto à sua temperatura: como seus concorrentes se saem em testes semelhantes? A Wired fez isso, e os resultados são surpreendentes.

O teste da Wired se baseou em uma jogatina constante de 45 minutos de Dead Space — um dos jogos que mais requerem processamento gráfico e, principalmente, um dos mais pesados e disponíveis em mais de uma plataforma. Os testados: Transformer Prime, da Asus, Kindle Fire, da Amazon, Playbook, da BlackBerry, o Iconia Tab A200, da Acer, e os dois últimos iPads — o novo iPad e o iPad 2. Eis os números finais do teste:

• Asus Transformer Prime: 36,94ºC

• Kindle Fire: 35,83ºC

• Blackberry PlayBook: 35,28ºC

• Novo iPad: 34,4ºC

• iPad 2: 34,17ºC

• Acer Iconia Tab A200: 32,22ºC

Ou seja: além de “perder” o título de mais quente para o Transformer Prime, o novo iPad mantém temperatura muito próxima de seus concorrentes — tirando o gélido Iconia Tab, a variação entre os testados não chega a três graus Celsius. A Wired, assim como a Consumer Reports, também testou o tablet rodando Infinity Blade 2, o jogo mais rico em gráficos para o tablet, e aí sim o número sobe um bocado: segundo a Wired, no momento mais quente o novo iPad cravou 42,2ºC. Porém, como o jogo é exclusivo para iOS, não é possível usá-lo como comparativo contra os concorrentes com Android.

Teremos em breve nosso novo iPad em mão e poderemos falar com mais propriedade, mas algumas coisas já parecem claras: 1) sim, o novo iPad é mais quente que seu antecessor, e isso provavelmente está ligado ao fato de seu novo processador ser enorme; e 2) não há motivos para medo de queimaduras, nem propostas para usá-lo como frigideira. Ele só é mais esquentadinho. E fim de papo. [Wired]