O iGoogle nasceu numa época em que Yahoo e Windows Live já ofereciam uma homepage personalizada. Em maio de 2005, ele vinha ao mundo com uma interface de widgets que rodeavam seu campo de busca. Assim começou a “Google Personalized Homepage”, depois rebatizada de iGoogle.

A vida do iGoogle era centrada nos gadgets: em pequenos retângulos, ele sempre trazia notícias recentes, e-mails, previsão do tempo, anotações e até frases inspiradoras para alegrar seu dia. E a cada dia, era possível vê-lo com uma cara diferente, graças ao suporte a temas.

Em seus anos de sucesso, ele chegou a mais de 70 países e 40 idiomas. Em 2007, era usado por 7 milhões de pessoas. Em 2008, 20% das visitas ao Google vinham através do iGoogle.

Mas nesse mesmo ano, ele começou a brigar com quem tanto o amava. Agora ele vinha com chat embutido, e não tinha a barra lateral usada por muitos. Onde estava o iGoogle de antes? Os usuários tentaram trazê-lo de volta, mas as alternativas se esgotaram em 2009, quando ele assumiu um novo design por padrão.

Em 2011, ele adoeceu, perdendo todas as suas capacidades sociais em prol do Google+. E em 2012, já não era mais possível vê-lo pelas ruas, após o fim da versão móvel. Na mesma época, nascia o Google Now no Android.

Morreu na sexta (1º), pois “a necessidade de algo como o iGoogle ficou desgastada com o tempo”. Tinha oito anos. Deixa saudade em alguns usuários, e a esperança de que a página inicial do Google se aproxime do Google Now.

[Google via Engadget; imagem via Lifehacker]