Se o ato de sua avó criar um Facebook não é um sinal dos tempos tão claro para você, veja se esse é mais convincente: depois desta semana, a internet não terá mais novos endereços IPv4. Mas não criemos pânico, nós já estamos prontos para embarcar no IPv6!

Para aqueles que não lembram muito bem o que um endereço de IP faz, ele funciona como o sistema de navegação da internet em vários sentidos. Quando você digitar um site/URL na barra, ele está conectado a um endereço de IP que faz todo o trabalho sujo para conectar você ao servidor em que o site está hospedado. Como diz o Wall Street Journal, o momento é parecido aos tempos em que os EUA mudaram os números de celular para 10 dígitos – fenômeno que começa a acontecer em São Paulo, que terá celulares com 9 dígitos pela simples falta de números.

Os endereços no padrão IPv4 teoricamente aceitam endereços de 4 a 12 dígitos, tem tamanho de 32-bits e 4,3 bilhões de possibilidades de combinações de endereço. Tenho quase certeza que praticamente todos vocês sabem bem o que é um endereço IPv4, normalmente exposto assim:

68.127.78.247

(ou http://68.127.78.247, quando os dígitos são escritos num navegador)

Com a mudança para o IPv6, os endereços serão de 128-bits e terão até 32 dígitos, permitindo nada menos do que 340 trilhões de trilhões de trilhões de endereços únicos. Quando ele for implementado de vez, os IPs serão lidos assim:

2001:0db8:85a3:0000:0000:8a2e:0370:7334

(ou http://[2001:0db8:85a3:0000:0000:8a2e:0370:7334] no navegador)

Somando a quantidade de letras e números a outras regras do formato, o ato de configurar um roteador será literalmente um pé no saco. E, CLARO, todos teremos de comprar novos roteadores! (Era de se esperar.)

Mas o IPv6 ainda está engatinhando e ainda serão necessários vários anos para que ele atinja o público comum. Enquanto isso, a internet começará uma dieta para reciclar e reutilizar endereços IP. Mas durante um único dia em junho, o Google, Facebook e Yahoo, junto com outros gigantes da internet, irão migrar para servidores compatíveis com o IPv6 para testar o novo protocolo e descobrir se há algum tipo de limitação ou problema no sistema. [WSJ]