A Oracle não vai desistir de empurrar aquela barrinha maldita do Ask.com tão fácil assim. Foi o que um representante da empresa disse recentemente.

A barra de ferramentas do buscador Ask.com é oferecida durante a instalação de muitos softwares para Windows e classificada por especialistas em segurança como “crapware”, ou seja, um software que, pior do que não fazer nada, atrapalha o usuário alterando inadvertidamente as configurações do navegador web. O Java, da Oracle, é um dos softwares mais famosos a oferecerem essa furada, e o faz de forma agressiva, como constatou Ed Bott semana passada.

Durante uma conferência de líderes do Java User Groups (JUG), Doland Smith, chefe da equipe OpenJDK da Oracle, tirou o corpo fora e disse que há questões maiores que impedem a remoção do Ask.com do instalador do Java. Segundo ele:

“Quando você tem uma relação comercial como esta, não apenas está lidando com as suas próprias políticas de comunicação e reconhecimento de receitas e todo o tipo de coisa, mas também tem uma parceria comercial e um acordo que você tem que cumprir.”

Tem quem não veja nesse combo uma ameaça tão malvada assim; apesar da insistência do instalador do Java, que sempre oferece o Ask.com mesmo em atualizações críticas de segurança, basta desmarcar a caixinha e a vida segue como sempre fora. O problema, porém, afeta usuários leigos e números mostram o reflexo dele. De acordo com a Serasa Experian, o Ask.com é o terceiro buscador mais usado do Brasil, com 5,34%, do mercado nacional, colado no Bing que tem 7,61% de usuários por aqui. Tem noção do que é isso? Mais de 5% das pessoas que acessam a Internet no Brasil caíram nesse golpe do instalador embutido no instalador — porque, de verdade, quem usaria o Ask.com por vontade própria?

As recomendações de segurança seguem as mesmas, e valem para todo software, inclusive open source. Fique sempre atento durante o processo de instalação, jamais confie no Enter-Enter-Enter. A dor de cabeça depois pode ser grande. [IDG Now!, Olhar Digital]