Assim como o Tapose, recém-lançado para o iPad, o Paper é um lugar para guardar ideias. Mas diferente do outro (que tem o apoio do ex-Microsoft J. Allard), este está mais para um sketchbook do que para um scrapbook e vem de um grupo de indivíduos que um dia trabalhou no descontinuado projeto Courier.

O Paper não traz apenas um monte de ideias sobre como um app desses pode ser usado no iPad, ele está cheio de ideias sobre como deveríamos interagir com o iPad de modo geral. Nesse sentido, lembra bastante o app de listas de tarefas Clear. Quando você o abre pela primeira vez, é apresentado a um leque de livretos a la Moleskine para escolher, cada um deles contendo grupos diferentes de esboços, anotações ou ideias. As metáforas do mundo real param por aqui. Uma vez aberto um dos cadernos, você tem uma única folha em branco para trabalhar. Para sair de um caderno basta o simples gesto de pinça. Para abrir as ferramentas, arraste o dedo de baixo para cima.

Há cinco diferentes ferramentas de escrita, uma borracha e nove cores diferentes para escolher. As outras ferramentas de escrita além da caneta-tinteiro e da borracha custam US$ 2. Quanto mais rápido se desenha com a caneta-tinteiro, mais grossa é a linha. Não gostou de uma marcação? Simplesmente mova dois dedos em sentido anti-horário e o app desfará as últimas ações uma a uma.

No momento, ele é mais uma ferramenta para anotadores compulsivos e para esboços de artistas, mas de acordo com o Verge, a FiftyThree, Inc. quer adicionar mais funções ao app que, em tese, poderiam adaptá-lo a algo mais adequado para outras aplicações (manipular fotos? guardar links?). O Paper talvez não seja tão avançado quanto ferramentas como o Sketchbook Pro, mas não é esse o ponto. Trata-se de um app engenhosamente desenhado que é fácil a qualquer um pegar e entender, mantendo alguma utilidade para seus criadores. Você pode baixá-lo agora da App Store de graça. [iTunes via The Verge]