Quando o Google lançou o Pixel no ano passado, foi para tomar uma posição. Um dispositivo Google que não seria mais contaminado com as marcas e logotipos de outras empresas, mesmo que nos bastidores a companhia ainda precisasse de ajuda dessas mesmas empresas para construir de fato os seus telefones. E apesar dos designs serem quase ofensivamente feios, da falta de recursos para seu produto principal, como resistência à água e armazenamento expansível, um problema de distribuição que o tornava difícil de ser comprado meses após seu lançamento, ainda havia pontos fortes, como o excelente modo de foto HDR do Pixel e uma experiência Android impecável.

PREÇO
Começando em US$ 650 para o Pixel 2 e US$850 para o Pixel 2 XL
O QUE SÃO?
Os novos smartphones do Google
GOSTEI
Alto-falantes duplos, experiência Android puraDual front speakers, pure Android experience
NÃO GOSTEI
Sem plug de fone de ouvido, Pixel 2 menor parece fraco e tem vida de bateria medíocre

Mas agora, 12 meses na estrada e com US$ 1 bilhão em tecnologia e pessoal recém-adquiridos, é de extrema importância para o Google dar os próximos passos no amadurecimento como um fabricante de dispositivo se quiser fazer essas apostas em hardware realmente compensarem.

E à primeira vista, parece que o Google está conseguindo. Tanto o Pixel 2, de 5 polegadas, quanto o Pixel 2 XL, de 6 polegadas, vêm com telas coloridas OLED resistentes à água, processadores Qualcomm Snapdragon 835 e 4 GB de RAM, o que é praticamente idêntico ao que você consegue em outros aparelhos Android de ponta. Na parte de trás, ambos os telefones também têm um novo acabamento fosco, com o cuidado de garantir que o pequeno círculo leitor de impressão digital também mantenha a textura, ao mesmo tempo em que ainda mantém o que se tornou, para o bem ou para o mal, a janela de vidro característica do Google. É um refinamento do tijolo que era o Pixel original, que ficou meio atraente em sua simplicidade. Mas depois disso, as coisas começam a desmoronar.

Pequenos detalhes, como as localizações das câmaras invertidas no Pixel 2 e no Pixel 2 XL e os diferentes tratamentos do logotipo do Google, atrapalham a coesão visual dos dois aparelhos. Então quando você os vê de costas, são dois celulares muito diferentes. As molduras no aparelho padrão de 5 polegadas Pixel 2 são enormes e facilmente as maiores em qualquer celular de ponta lançado em 2017, tirando o iPhone 8. Além disso, o Pixel 2 não tem as bordas de vidro mais curvadas de seu irmão maior, que, quando combinadas com a sua proporção de 16:9 (contra a tela de 18:9 do pixel 2 XL), dão ao Pixel 2 padrão uma aparência mais pesada e trambolhuda, que parece datada desde já.

O que é ainda pior é que a bateria padrão do Pixel 2 de 2.750 mAh oferece significativamente menos vida útil da bateria do que a de 3.520 mAh no Pixel 2 XL. Em nossos testes de bateria, a do Pixel 2 durou apenas 8 horas e 59 minutos, quase 15 minutos a menos de tempo do que as 9 horas e 12 minutos do Galaxy S8 e mais de duas horas a menos da marca de 11h17min do Pixel 2 XL. Isso é muito triste, porque, com base no tamanho sozinho, o Pixel 2 padrão é facilmente um melhor ajuste para as minhas mãos e para outras pessoas que preferem telefones menores. No entanto, as disparidades entre ele e o Pixel 2 XL tornam o celular maior uma compra muito melhor, mesmo levando em conta o preço de US$ 200 a mais do segundo.

Quando comparado com celulares como o S8 e S8 Plus, o Pixel 2 padrão (centro) não parece tão bom.

Em comparação, o Pixel 2 XL parece que tem frequentado a academia. Suas molduras mais magras e a maior proporção tela para corpo o deixa mais esguio. No entanto, mesmo o 2 XL não está livre de problemas. Quando vista fora de eixo, a tela POLED do Pixel 2 XL tem uma tonalidade azul perceptível, que é algo que você não vê no Pixel 2.

Quando colocados lado a lado, mudança de cor fora de eixo do Pixel 2 XL se torna imediatamente aparente.

Estou irritado com a decisão do Google de eliminar a saída de fone de ouvido da lista de características do Pixel 2. Mesmo com a conectividade sem fio e a inclusão de um adaptador de 3,5 milímetros na caixa, eu acho que ainda é cedo demais para os fabricantes de celulares se livrarem da entrada de fone de ouvido. Pelo lado bom, o retorno de alto-falantes estéreo voltados para a frente é uma adição bem-vinda, e estou contente que pelo menos uma empresa mantenha o legado da HTC vivo (especialmente desde que a HTC parecer não conseguir se manter na ativa).

Estou começando a gostar do estilo de dois tons do Google, mesmo que o esquema de cores preto no preto seja o menos interessante do grupo.

Então, se o seu design não é especial, o que o Pixel 2 tem a oferecer? O software. Sem skins, acréscimos ou outras alterações entrando no caminho do Android, o Pixel 2 coloca toda a força da programação inteligente do Google na sua mão. Seja a silenciosa edição do Google Fotos ao editar e criar álbuns personalizados das fotos que você tira, ou as suaves notificações dando atualizações úteis sobre o tempo, caminhos no mapa ou outras informações. O Android Oreo 8.0 sem alterações que você recebe com os dispositivos Pixel é o mais próximo que temos de um sistema operacional inteligente.

O padrão Pixel 2 de enormes molduras é uma grande decepção.

A novidade para este ano é um layout renovado da tela inicial que coloca uma barra de pesquisa do Google na parte inferior da tela (e mais perto de seus dedos). E se você está com preguiça de escrever, agora você pode simplesmente apertar o lado do telefone para chamar o Google Assistente e ditar por voz as suas pesquisas. O Google chama esse recurso de Active Edge, e ao mesmo tempo em que é meio que um truque, ele também é uma boa alternativa a ter que chamar vocalmente o Google o tempo todo.

Dito isso, tenho que repreender o Google por restringir o Active Edge para o Google Assistente. É praticamente a mesma tática que irritou as pessoas quando a Samsung adicionou um botão dedicado ao Bixby ao lado do Galaxy S8. Então, para ser claro: o Google fez uma coisa ótima ao adicionar uma nova maneira para as pessoas interagirem com seus celulares. Porém, em seguida, fez uma coisa ruim ao limitar essa interação ao invés de torná-la um recurso personalizável.

O Google Lens pode ser surpreendentemente preciso.

O Pixel 2 não é o primeiro celular que você aperta para controlar (foi o HTC U11), mas é o primeiro com Google Lens, que pode analisar as fotos que você tirou e dizer se a flor que você acabou de capturar é uma peônia ou uma cosmos-de-jardim. E embora ele não funcione o tempo todo ou possa não ser sempre tão preciso quanto você gostaria (por exemplo, quando identifica uma Ferrari 458 como apenas um “supercarro”), quando acerta, é absolutamente impressionante.

Observe como a foto do Pixel 2 parece mais rica, mantendo melhor profundidade e nitidez.

Falando de fotos, a câmera traseira de 12 megapixels do Pixel 2 ainda faz maravilhas considerando que a abertura f/1.8 e a configuração da câmera única não sejam exatamente o sistema mais extravagante. Em ambas as condições de pouca luz ou luz brilhante, o Pixel 2 corresponde cada bit com o Galaxy S8 e o iPhone 8 e, às vezes, graças ao seu excelente modo HDR+, o Pixel 2 é melhor. Por exemplo, nas fotos acima de belas abóboras de outono. Embora a foto do S8 seja boa e nada do que valha a pena reclamar, o Pixel 2 fez ainda melhor, capturando laranjas mais ricos e mais detalhes de suas retorcidas hastes.

Este exemplo é mais próximo, mas eu tenho que dar uma ligeira vantagem para o Pixel porque, apesar das cores da foto do iPhone parecerem um pouco mais ricas, o Pixel 2 conseguiu evitar o estouro de objetos em segundo plano.

Ou confira esta foto de um delicioso frango cantonês acima. Enquanto a foto do iPhone 8 pode parecer mais bem exposta no início, coisas como o bule de chá e a tigela de arroz no fundo ficaram estouradas, algo que o Pixel 2 consegue evitar.

Quando fica muito escuro, nem mesmo o Pixel 2 com HDR+ ajuda muito.

A única área em que o Pixel 2 começa a falhar é em ambientes de pouca luz, tais como cenas iluminadas apenas por velas. É aqui que o hardware do Pixel 2 alcança seu limite, o que resulta em fotos mais suaves, menos detalhadas e muitas vezes com mais ruídos do que o que você consegue de seus concorrentes.

Com o Pixel 2, o Google juntou-se à Apple quando se trata de se livrar da entrada de fone de ouvido.

Esta câmera deixa a desejar com pouca luz, mas normalmente é boa o suficiente, e você não tem que pensar muito sobre as fotos que você está tirando. O que, de certa forma, é realmente emblemático do que parece ser a abordagem global do Google com o seu hardware próprio. Como um microondas ou uma máquina de lavar, a ideia é que as especificações e o hardware de um dispositivo saiam do caminho e assumam uma posição secundária em relação ao que você está realmente tentando fazer. Em seguida, o software do Google pode intervir em silêncio para dar uma mão amiga quando pode (o que acontece surpreendentes vezes).

Afinal de contas, o novo recurso mais interessante do Pixel 2, o sensor de pressão Active Edge, é algo que você sequer consegue ver. Você só tem que apertar e saber que o telefone irá responder. Eu só queria que o Google não tivesse falhado tanto no design e na vida de bateria do Pixel 2 padrão. O Pixel XL da segunda geração é meio bonito de uma forma simples, estoica, especialmente no modelo preto e branco com o botão de ligar laranja. Enquanto isso, o Pixel 2 padrão parece que foi deixado de lado. De qualquer maneira, você não está comprando este celular por sua construção ou estilo, você o escolheu porque acha que o software do Google tem as respostas. E mais frequentemente do que qualquer um dos seus concorrentes, ele tem.

RESUMO

  • O Pixel 2 XL é facilmente o mais bonito dos dois, e sua vida útil de bateria é visivelmente maior também.
  • Novo layout da tela inicial do Pixel coloca uma barra de pesquisa do Google embaixo dos ícones de inicialização rápida tradicionais.
  • O Google ainda tem o melhor processamento de fotos HDR, mas ambos os celulares ainda têm dificuldades em cenários de pouca luz.
  • O sensor de pressão Active Edge só pode ser usado para chamar o Google Assistente.
  • Nenhum dos dois modelos possui um slot microSD ou entrada de fone de ouvido.

ESPECIFICAÇÕES

Pixel 2

Tela de 5 polegadas 16:9 1920 x 1080 AMOLED • bateria 2.700 mAh • 14,4 x 6,8 x 0,7 centímetros • 142 gramas • disponíveis em preto, branco e azul.

Pixel 2 XL

Tela de 6 polegadas extra widscreen 18:9 2880 x 1440 POLED • bateria 3.520 mAh • 15,7 x 7,62 x 0,76 centímetros • 175 gramas • disponível em preto e preto/branco.

Ambos os modelos

Android 8.0 Oreo • processadores Qualcomm Snapdragon 835 • 4 GB de RAM, 64GB ou 128GB de armazenamento • alto-falantes frontais estéreo • 802.11 a/b/g/n/ac wi-fi • Bluetooth 5.0 • eSim • sensor de pressão Active Edge • IP67 de resistência à água • porta USB Tipo-C • inclui adaptador 3,5mm para USB-C.

Imagem do topo: Sam Rutherford/Gizmodo