Enquanto houver um Coringa – e já estamos há oitenta anos com esse cara – teremos um veneno do Coringa. Ele estreou ao lado dele, no Batman #1 de 1940, e tem sido parte de seu arsenal desde então.

Embora os seus efeitos colaterais tenham variado ao longo dos anos, cada versão manteve-se como uma ferramenta assassina tenebrosa (ou uma ferramenta não letal terrível, dependendo do caso). O riso incontrolável não é tão ruim, mas o rápido desligamento de toda a função do coração e do cérebro é, eu diria, bem ruim. O pior de tudo, porém, é ir para o caixão com aquele sorriso iconicamente hediondo.

Mas poderia tal toxina realmente existir? Nenhum de seus efeitos parece impossível de reproduzir de forma isolada, mas um veneno com todos ou a maioria deles é uma pergunta diferente. Assim, buscamos especialistas e peritos em venenos para responder esta pergunta.

Christie Wilcox

Autora de  Venomous: How Earth’s Deadliest Creatures Mastered Biochemistry

Acho que a resposta é “depende”.

É teoricamente possível induzir ataques de riso aleatórios, porque é um dos sintomas de uma doença chamada Kuru (parecida com a vaca louca). A doença é causada por uma proteína mal-dobrada (um príon) que as pessoas podem ter em seus corpos quando consomem tecidos carregados com ela… que, no caso do Kuru, foi descoberto por causa de tradições canibais. O príon induz versões suas a dobrarem de maneira errada, e a acumulação destas proteínas “ruins” conduz a lesões cerebrais que podem causar sintomas neurológicos como ataques de riso.

Então você poderia, teoricamente, criar um líquido potável ou um injetável com tais toxinas que induzem ataques de riso, causando danos cerebrais. O dano cerebral é irreversível, por isso é eventualmente letal também. Claro, a criação destas lesões leva anos, até mesmo décadas, em casos de Kuru – por isso não seria um ataque instantâneo de riso. Você pode ser capaz de projetar um príon ou outra coisa que funcione mais rápido, no entanto. Talvez. Eu não acho que alguém tenha tentado, é claro.

Há também drogas ilícitas que induzem euforia, o que poderia potencialmente fazer alguém rir. Embora não seria forçado, como o riso causado por danos cerebrais e mais uma alegria e felicidade extremas, que às vezes pode acompanhar ataques de riso. Provavelmente seria difícil criar uma droga que fosse precisa o bastante para causar tal euforia quase instantaneamente sem atacar o resto do corpo e do cérebro (matando as vítimas antes de chegar a esse lugar feliz). Então, eu diria que é possível, mas provavelmente muito improvável, que uma “droga do riso”, que de forma confiável induzida o riso seguido de paralisia poderia ser desenvolvida.

Então, resumindo: Pode ser possível criar um coquetel químico que faz as pessoas rirem descontroladamente até a morte, ou que os deixa muito felizes e risonhos e depois morram, ou simplesmente morram muito rapidamente de paralisia rígida. Mas o rosto de Coringa característico na morte é improvável.

Ah, e nada disto poderia ser feito em um armário através da mistura de produtos químicos de limpeza. Isso seria um trabalho sério de laboratório, custando uma fortuna para fazer e provavelmente precisaria de armazenamento e manuseio especial.

Jamie Seymour

Professor Associado, Instituto Australiano de Saúde Tropical e Medicina

Não há animal venenoso no planeta que possa fazer [tudo o que o veneno do Coringa faz]. Dito isto, há componentes de diferentes venenos animais no reino animal que poderiam, em combinação. Meu entendimento do Coringa é que ele é um químico muito inteligente, de modo que seria possível ele extrair os componentes desses venenos e juntá-los todos.

Se você estava procurando um componente de um veneno que causou parada cardíaca muito rapidamente, você poderia começar a partir do veneno da classe cubozoa, como a água-viva vespa-marinha. Uma grande quantidade de veneno deste animal, em um ser humano, poderia causar parada cardíaca dentro de segundos. E se diluído, poderia demorar alguns minutos, dependendo do que você queria fazer com ele.

Se você estava procurando uma contração dos músculos faciais, o veneno do Caracol-Cone faz exatamente isso.

Desligar o cérebro é um pouco mais difícil, por causa da barreira hemato-encefálica. Para que isso aconteça, você tem que injetar o veneno diretamente no sistema nervoso central. Mas há uma vespa que faz isso. Basicamente, ela injeta o veneno no sistema nervoso central, e ele vai direto para o cérebro. Por isso, ele precisa ir através da coluna vertebral, ou diretamente para o cérebro.

Mas, se você quer causar paralisia do sistema nervoso, isso é bastante simples. Há uma variedade de animais que fazem isso. Um delas é o polvo-de-anéis-azuis, cujo veneno inteiro é destinado a causar a cessação de pulso nervoso. Alguém que é picado por um desses animais continua vivo, mas ele não pode mover qualquer um dos seus músculos voluntários.

Então: se você fosse misturar a toxina de uma vespa-marinha, a toxina de um caracol do cone e a toxina de um polvo-de-anéis-azuis, você poderia causar parada cardíaca quase instantaneamente, você faria com que todos os músculos da face e corpo se contrair, e você faria com que toda a cessação neural parasse em todo o corpo. Eminentemente viável!

Seria necessário que este veneno fosse injetado diretamente, ou ele pode ser transmitido através do ar?

Se uma toxina é injetada –  se você for mordido ou picado – é uma peçonha. Se a toxina é ingerida ou inalada, é um veneno. Botulínica, que é um veneno, provoca a contração dos músculos, e que poderia ser [transformado em] um gás, mas não iria causar parada cardíaca. Eu não sei de qualquer veneno ingerido ou toxina ingerida que poderiam causar parada cardíaca em um curto período de tempo. Simplesmente não funciona dessa maneira.

Ian Haydon

Doutorando em Física Biológica, Estrutura e Design na Universidade de Washington

Infelizmente, as pessoas já inventaram compostos pelo menos tão horríveis quanto o veneno do Coringa. E sim, os nazistas estão envolvidos.

Na década de 1930, um químico alemão chamado Gerhard Schrader tentava inventar um novo tipo de pesticida. Ele afirma que ele queria acabar com a fome no mundo. No processo, ele esbarrou em uma classe de compostos que contêm fósforo tão terrivelmente letais que os nazistas – para quem ele trabalhava – se recusaram a implantar. Schrader é agora conhecido como o “pai dos agentes nervosos,” tendo aumentado a toxicidade e a capacidade de entrega de seus compostos.

Ele não foi o único. Cientistas no Reino Unido e Rússia, eventualmente, colocaram suas mãos nessas artes das trevas, produzindo alguns dos produtos químicos mais tóxicos que o mundo já viu. Mesmo uma breve exposição a agentes nervosos fortes, por ar ou por pele, pode conduzir a contrações musculares excruciantes no corpo inteiro e a morte por asfixia dentro de minutos. E apesar de ser proibido em todos os lugares na Terra, vimos os governos da Síria e da Coréia do Norte usarem esses agentes nervosos durante os anos do presidente Obama.