Curioso para saber o que está escondido por dentro do Chromecast, que leva vídeos da web para sua TV? Graças à FCC (a Anatel dos americanos), não precisamos mais nos perguntar o que há nele.

Há um chip Marvell DE3005 para o processamento, e um chip AzurWare para cuidar do Wi-Fi (apenas em 2GHz), de acordo com Brian Klug do Anandtech. A placa de circuito tem chips nos dois lados, aproveitando ao máximo o espaço do pequeno dongle.

A simplicidade do hardware combina com a facilidade de uso. Basta inserir o Chromecast na entrada HDMI da TV, ligar o cabo de força na porta USB (ou no adaptador que acompanha o produto), e configurá-lo. Se sua TV tiver suporte a HDMI 1.4 (você confere isso no manual), nem é preciso usar o cabo de força.

O Chromecast cria um hotspot Wi-Fi, ao qual você se conecta através do Android, iOS, Windows ou OS X. Não se trata de uma conexão direta: o dispositivo do Google roda apps de forma independente, e baixa tudo direto da internet – não do seu smartphone ou laptop.

Ele tem suporte a Netflix, YouTube e conteúdo do Google Play, além de contar com uma API que dará suporte a mais apps. Também é possível enviar abas do Chrome para abrir na TV. Por US$ 35, ele pode ser uma enorme revolução para a sala de estar.

Os documentos da FCC já mostravam detalhes do Chromecast em maio, mas as fotos de suas entranhas foram adicionadas esta semana. Confira mais delas no link a seguir: [FCC via Engadget]

chromecast fcc (1)