A tela do iPhone tem 3,5 polegadas desde 2007. Mas os celulares com Android vêm ficando cada vez maiores no último ano ou dois, tanto que Android menores que 4″ já parecem pequenos. Por quê?

O designer Dustin Curtis elaborou uma justificativa para o tamanho de 3,5″ do iPhone: você pode acessar praticamente qualquer área da tela usando o polegar. Ele diz que “tocar o canto superior direito da tela do Galaxy S II usando uma mão, com sua tela de 4,27 polegadas… é extremamente difícil e frustrante”. A justificativa surgiu depois que o iPhone 4S manteve o tamanho de 3,5″, mesmo com aparelhos maiores surgindo na concorrência.

Isso obviamente não vale para o Android: o Galaxy Nexus, cujo design foi elaborado em parte pelo próprio Google, tem tela de 4,65″. Há duas explicações para tanto: a primeira, sugerida por Jin Kim, diz que o motivo do crescimento é a forma como o Android renderiza a tela. Em seu blog, Kim escreve:

Fabricantes de Android e o Google responderam à Retina Display de 3,5 polegadas e resolução 960×640 aumentando a resolução para 1280×720. Mas como o Android renderiza texto e gráficos como o Windows e OS X, aumentar a densidade de pixels acima dos 320ppi significaria elementos de interface menores. A tela precisava crescer em tamanho para compensar os elementos de interface menores.

Basicamente, o iOS usa a resolução maior para aumentar a nitidez e legibilidade do que a tela exibe. Mas no Android, chegar à resolução do iPhone mantendo a mesma tela de 3,5 polegadas iria deixar os ícones e textos cerca de 25% menores. Isto tornaria desconfortável ler textos, e reduziria o tamanho dos alvos para você tocar. Então, para alcançar a resolução do iPhone sem sacrificar a usabilidade – e mantendo a mesma técnica de renderização – os smartphones com Android precisam ser maiores. É isso que Kim sugere.

John Gruber oferece uma alternativa, e talvez um complemento: os smartphones com Android estão maiores por causa do 4G nos EUA – o chipset para LTE não cabe em aparelhos menores. Vale lembrar que os EUA são o maior mercado de smartphones de todo o mundo, e vários aparelhos vendidos lá chegam a outros países sem muitas adaptações. Gruber escreve que:

Chipsets LTE disponíveis atualmente são fisicamente maiores (o AnandTech mostrou há meses que nenhum deles caberia no case do iPhone 4/4S), e como eles consomem muita energia, eles exigem baterias maiores. Celulares mais grossos não dão certo. Logo: celulares mais largos e mais altos, com telas se expandindo para cobrir a superfície.

Sim, Androids enormes já estavam no mercado antes do LTE ganhar relevância nos EUA, mas este parece ser um fator a mais hoje. Inicialmente, como algumas pessoas associaram telas maiores a qualidade maior, isso pode ter aumentado a demanda por smartphones grandes. O fator 4G contribuiu pra isso, mas não deve ser o único responsável: se os chipsets para LTE diminuírem, os celulares vão ficar menores também? [Jin KimJohn Gruber]