Computadores estão bem baratos hoje, mas ainda assim o preço de alguns modelos assusta. O MacBook Pro começa em R$ 3.599, o Z430, ultrabook da LG, deixa o futuro dono R$ 2.999 mais pobre. São caros, mas em troca oferecem o que há de mais moderno na computação pessoal. O que você acharia, então, de um Pentium IV com 1 GB de RAM por… R$ 3.949?

Não é piada e antes que alguém pergunte, não, não temos uma máquina do tempo. A oferta “perdível” está a um clique, no site da Americanas. A configuração ainda traz um robusto HD de 120 GB, gravador de DVD e um kit teclado/mouse/caixas de som.

O fenômeno se repete em outras áreas. Veja este livro à venda no Submarino por R$ 10 que promete ensiná-lo, num método rápido, como dominar o “poderoso ambiente operacional” Windows… 3.1. Está obsoleto faz apenas 20 anos. Se você acha que isso é coisa nossa, engano seu: é um fenômeno mundial. A Amazon também tem livros de versões arcaicas do Windows em seu acervo..

A área de jogos eletrônicos é emblemática e, pela natureza contínua de algumas franquias expõe situações ainda mais inusitadas, como PES 2011 custar mais (R$ 199) do que PES 2012 (R$ 159). Dá para entender?

Quebramos a cabeça aqui para achar alguma lógica na venda dessas velharias. Poderia ser um bom negócio para colecionadores, mas nunca vimos e achamos que não exista um de desktops. Cauda longa? Não sei ao certo se o conceito se aplica a produtos defasados. Uma isca para desavisados, talvez… Ou então, a resposta mais óbvia e ingênua: são apenas produtos esquecidos nos armazéns e sistemas das lojas, onde ficarão ad aeternum — ou até quem alguém os arrematem.