Gilvandro, meu amigo, eu estou realmente consternado com o que aconteceu com você. Você, meu caro, já mora a 360 km de Manaus, na cidade de Parintins. E você decidiu comprar um iPhone pela via mais cara possível — a Apple Store nacional, que pratica preços exorbitantes. Escolheu o modelo mais barato para presentear sua esposa — mas ele custa R$2.599. Tudo isso já seria o suficiente para eu querer lhe dar um abraço, mas o fato de você ter recebido uma pedra no lugar do iPhone… cara, você pode até morar lá em casa.

Gilvandro recebeu um pacote da Apple no dia 16, última sexta-feira, do que seria um aparelho para presentear sua esposa. A compra havia sido efetuada no dia 3 de março. Porém, ao abrir, surpresa: uma pedra — essa que Gilvandro usa como um telefone na foto — foi encontrada no lugar do aparelho. Ele registrou boletim de ocorrência e disse que entrou em contato com o SAC da Apple, que deu um prazo de dez dias para averiguar o caso e enviar um novo celular. A Apple também ofereceu devolver o dinheiro do smartphone — sim, os R$2.599 por um iPhone 4S de 16GB — mas Gilvandro quer mesmo é presentear sua esposa com o aparelho.

As opções para explicar o ocorrido vão de “alguém roubou o aparelho e deu o truque mesmo”, passam por “foi só uma piadinha” e chegam em “a Apple quer rivalizar com o Submarino”. Seja qual for o desfecho do caso, fica aqui nosso apoio à saga de Gilvandro, morador de Parintins e um bom marido. [G1; valeu, Mário!]