Você provavelmente acha que sabe como os pescoços das girafas evoluíram. Talvez os ancestrais das girafas comessem folhas de árvores, e aqueles que conseguiam alcançar mais folhas eram os mais aptos e, portanto, passaram seus traços para os animais de pescoço alongado que vemos hoje. Mas os cientistas não sabem disso. Aliás, existem pelo menos seis hipóteses de por que e como as girafas ficaram com seus pescoços tão longos.

• Como gatos (e outros bons animais) ajudaram a abrir caminho para o voo espacial humano
• Como esse “lerdo”, “atrapalhado” e estranho animal enganou a morte

Uma equipe de cientistas criou mais uma explicação, uma que encaixa com a capacidade da girafa de sobreviver em ambientes áridos. Talvez a girafa tenha pescoço longo para regular o calor. Mas a história é complexa e requer a execução de algumas contas matemáticas de girafa.

“Até agora, houve apenas uma tentativa de quantificar a área de superfície da girafa, e isso foi no contexto de determinar flutuabilidade e potencial capacidade de nadar, não a termorregulação”, escrevem os pesquisadores no artigo publicado recentemente no Journal of Arid Environments. Talvez a área de superfície maior relativa à massa resultando de um pescoço longo tenha algo a ver com a regulação da temperatura nas girafas. Talvez.

Cálculos de massa são fáceis, basta pesar o animal. Mas como calcular a área de superfície de uma girafa? “Nós subdividimos a superfície das girafas em quatro componentes: cabeça, pescoço, tronco e parte superior das pernas”, escreveram os autores, baseados em dados de 30 espécimes machos e 30 fêmeas. A equipe usou contas matemáticas e estimativas de nível de ensino médio para chegar à resposta: em média, a área de superfície de uma girafa é de pouco menos do que 7,43 metros quadrados, parecida com a do meu alojamento universitário (no caso das girafas, a área de superfície variava entre 2,04 metros quadrados e 11,79 metros quadrados).

Acontece que a girafa não tem uma relação superfície-massa que indicaria os benefícios da termorregulação. Mas os autores ainda acham que talvez o pescoço e as pernas longas do animal o ajudem com a perda de calor. Outros comportamentos das girafas, como se posicionar de forma que seus corpos recebam o mínimo de luz do Sol possível durante o dia, poderia também auxiliar na perda de calor.

A questão é: os cientistas ainda não sabem de fato por que elas têm pescoços longos, e é improvável que exista apenas uma simples explicação. Em vez disso, os pescoços longos provavelmente evoluíram por causa de uma combinação de pressões, talvez incluindo o acesso a comida e a regulação térmica. Afinal, evolução é um negócio muito complexo. Nesse caso, tentar descobrir mais informações levou os cientistas a literalmente medirem a área de superfície das girafas.

[Journal of Arid Environments via Nature]

Imagem do topo: Derek Keats