Agora você pode comprar uma caixinha de 100 dólares (mas que custa R$399 no Brasil) que faz streaming de um vasto catálogo de vídeos disponíveis para qualquer um que tem uma qualidade quase tão boa quanto um Blu-ray. A Apple TV não é a primeira a golpear vídeos em mídias físicas, mas é definitivamente um golpe certeiro.

Porque isso importa

Em termos gerais de uma experiência caseira, a Apple TV ainda é o melhor aparelho de streaming que você pode plugar na sua TV – seguida por um Roku. Não muda muita coisa. Mas a Apple, depois de tanto tempo, agora está oferecendo filmes na qualidade HD mais alta possível: 1080p. Pela primeira vez, isto significa que a Apple TV não é apenas um ótimo referencial para streaming de filmes, mas uma candidata contra o Todo Poderoso das Mídias Físicas, o Blu-ray. O disco foi condenado à obsolescência desde que seus antepassados de áudio começaram a sumir, mas esta nova investida da Apple pode significar que eles irão mais cedo para o cemitério.

E os números ajudam a entender o que está para acontecer: segundo pesquisa da IHS Screen Digest, 2012 será o primeiro ano em que assistir a filmes via streaming nos EUA ultrapassará a exibição em discos. Segundo a previsão, 2,6 milhões de filmes serão exibidos em discos, enquanto 3,4 milhões de filmes online serão exibidos. E sabe como foram os números em 2011? 2,4 bilhões de discos contra 1,4 bilhão via streaming. Não há mais volta.

Gostamos

A Apple TV ainda é exatamente a mesma obra-prima minimalista – merecendo um lugar no MoMA algum dia. A forma anterior permanece inalterada, e continua sendo fácil de configurar: Ligue na tomada, conecte o HDMI e está pronto para usar. O controle igualmente minimalista voltou também, um clarim no meio de uma bagunça de controles remotos. Que bom.

A forma simples significa que é fácil de pular direto para o que interessa aqui: A nova resolução de vídeo 1080p, possivelmente graças a um processador atualizado e à habilidosa compressão da Apple, é fabulosa.

A diferença irá variar de programa para programa e de filme para filme, mas existe um aumento nítido na fidelidade. Pelos faciais, rugas e poros serão visíveis nos rostos; linhas delicadas e texturas aparecerão nas superfícies, e o texto muito mais nítido. Mais pixels significa mais detalhes. Em termos de clareza, ela já percorreu boa parte do caminho até o disco Blu-ray, se aproximando da melhor imagem possível sem ter que realmente tocar em um daquelas coisas arcaicas de plástico circular – tudo que você comprar no iTunes irá ficar disponível na nuvem, para sempre.

Não gostamos

Percorrer boa parte do caminho ainda não é percorrer o caminho inteiro. Fazer streaming de um arquivo do tamanho de um filme Blu-ray ainda não é possível com a velocidade de internet atual, a menos que você esteja usando a Wi-Fi em Los Alamos ou tendo um caso com o cara da internet a cabo ou algo assim. A Apple tem que cortar algumas arestas usando truques de software para conseguir entregar os filmes: Blu-rays tem algumas dezenas de gigabytes de tamanho. Os streamings 1080p do iTunes tem alguns poucos gigas. 1080p é como kosher – os cachorros-quentes certificados são melhores, mas algumas marcas são melhores do que outras.

Enquanto assistia a versão do iTunes de Drive – um filme com brilhos, cor e profundidade, acelerando em cenas noturnas – as arestas cortadas eram evidentes. Como um JPEG ruim, a versão streaming do filme mostrou alguma distorção, particularmente durante cenas com muita velocidade e escuridão. Drive tem muito de ambos. Então, enquanto a cópia do iTunes mostrava fielmente o rosto de Gosling com todos os detalhes de sua barba por fazer, cores desagradavelmente irregulares persistiam pelo céu de Los Angeles, através de nuvens de poeira e ao redor das luzes da rua. Mesmo em cenas bem iluminadas, detalhes como paredes estampadas e a floresta ficaram desfocados, uma mancha de cores.

A única parte desfocada na versão Blu-ray (assistida em um PS3) foi a neblina da cidade – mas praticamente não há artefatos visíveis ou problemas da compressão. Não é constante, e é mais notável quando você procura por isto, mas está lá.

Ah, os novos menus. Eles não são exclusivos do novo modelo (você pode fazer download de uma atualização de software para sua antiga Apple TV), mas cara, eles são estúpidos. Apple, claramente imitando a tela inicial do seu iPhone, trocou sua interface elegante com muito texto por ícones cafonas tipo chiclete. Eles parecem brega, mas pior ainda, eles são difíceis de navegar – e alguns nem mesmo podem ser removidos. Eu não quero ter que passar por um monte de opções que eu não me importo só para chegar no Netflix – especialmente não com o controle remoto que não tem nem como remover mais botões. A Apple certamente fez isso para dar mais espaço para canais estilo Roku, mas no meio tempo, é um chute na canela da estética e funcionalidade.

Devo comprar?

Apesar da nova interface feiosa, a Apple TV ainda é a melhor de sua linhagem. Mas graças a sua nova qualidade de vídeo estelar, ela agora entra em duas categorias – óbvio, é o melhor equipamento exclusivo para streaming, e pode até te dar uma razão para evitar (ou dispensar) um Blu-ray player. A qualidade de vídeo é fantástica, e a facilidade de selecionar a partir de um catálogo (por mais limitado que seja) do seu sofá, fazer o buffer rapidamente, e então assistir de uma maneira maravilhosamente simples é sensacional.

Se você se importa mais em viver o futuro, viva aqui – neste ponto, discos são apenas para puristas. Se a noção de ter a melhor qualidade possível se sobressai, isto não é para você – Blu-ray é superior, mas você pode querer se perguntar o quanto você realmente se importa. Você ainda está ouvindo CDs, ou estava feliz em sacrificar alguma fidelidade pela conveniência da MP3? A nova Apple TV representa um ponto de decisão similar.

Apple TV 2012

• Dimensões: 2,3 x 10 x 10 centímetros
• Peso: 270 gramas
• Processador: Apple A5 (Single Core)
• Memória: 512 MB
• Vídeo: HDMI, até 1080p
• Áudio: HDMI, Optical
• Conectividade Ethernet, WiFi (a/b/g/n)
• Gizrank: 4 estrelas
• Preço: US$100 (R$399 na Apple Store brasileira, ainda indisponível para compra e sem previsão de lançamento)