De acordo com o laudo da prisão, Negrin disse que "não conseguiu mais aguentar as piadas e enlouqueceu", então ele abordou o colega Hugo Osorno no estacionamento de funcionários, onde ele "forçou Osorno a se ajoelhar e o fez se desculpar, antes de bater nele nas costas e braços com o cassetete".

Os funcionários viram o corpo do Negrin durante um exercício de treinamento, onde ele não tinha qualquer proteção. Os passageiros, por outro lado, supostamente têm sua anonimidade preservada, porque os rostos são borrados e o scanner fica em outra sala. Mas eles estão com certeza zoando do seu pintinho.

Moral da história? Se você tiver a opção de passar por um scanner, evite-o e prefira a revista manual — o segurança não vai agarrar suas partes forte o suficiente para saber, a menos que os outros seguranças tenham zoado dele. Parece que isso é um problema na TSA. [Miami Herald via Boing Boing]