O Google pode estar próximo de confirmar a suspeita de que só comprou a Motorola Mobility pelas suas 17 mil patentes. A aquisição de US$ 12,5 bilhões mal foi oficializada (a aprovação do Departamento de Justiça só veio em fevereiro) e já há relatos de que o Google esteja empenhado em passar para frente a divisão de hardware da Motorola.

Do Wall Street Journal:

“Já há relatos de que o Google esteja avaliando a venda do negócio de set-top boxes. Na Ásia, os rumores giram em torno da divisão de dispositivos móveis, sugerindo que o Google já a ofereceu à chinesa Huawei por um valor elevado.”

Temos sido bombardeados com especulações sobre os planos do Google para a sua recente aquisição. Ela põe a empresa em um local interessante, já que a sua posição no ecossistema Android tem sido a de provedor do sistema operacional para 55 fabricantes. Mas iria o Google realmente cair de cabeça no mercado de produção de smartphones e tablets, colocando em risco o relacionamento com esse monte de OEMs?

O próprio Google talvez não tenha uma resposta concreta a essa questão. O chefe de mobile Andy Rubin parece convincente ao falar sobre a existência de um “firewall” entre Motorola e Google. Dito isso, existe ainda a crença de que o Google seja arrogante o bastante para acreditar que possa desempenhar vários papéis e, ainda assim, manter sua posição sólida no segmento móvel. Mas isso pode ser apenas um otimismo exacerbado.

“A inquietante resposta sugere não haver sentido de que uma escolha seja sequer necessária. Há apenas uma crença pretensiosa de que o Google realmente é capaz de fazer tudo ao mesmo tempo: uma empresa de hardware com margens de software e um fornecedor neutro de Android que calhou de estar construindo seu próprio exército Motorola no mesmo lado.”

Talvez fosse melhor ao Google continuar no que está fazendo bem: manter uma plataforma móvel popular (e também focar em toda aquela coisa de pesquisa). Na realidade, o Google já está correndo riscos brincando com os celulares Nexus e qualquer indício de favorecimentos à Motorola poderia fazer as fabricantes considerarem o Windows Phone com mais seriedade. A boa notícia é que o Google flerta com a ASUS para a construção do tablet Nexus, um indicativo forte de que ela não pretende usar o hardware da Motorola.

Financeiramente, a Motorola faz mais sentido pela sua propriedade intelectual. Como fabricante de dispositivos, ela não tem sido lucrativa tem algum tempo, também. Seu market share é de parcos 4% e ela tem apresentado perdas por cinco anos consecutivos, chegando a um total de US$ 5,3 bilhões negativos, de acordo com o WSJ. O valor realmente recai em sua vasta coleção de patentes, algo que o Google, talvez, reconheça. [Wall Street Journal]