Graças a uma nova descoberta de cientistas australianos, livrar-se de germes rastejantes pode ficar ainda mais fácil, sem exigir uma gota de desinfetante.

Trata-se do silício negro: o material foi descoberto na década de 1990 por pesquisadores de Harvard, mas cientistas só encontraram suas propriedades antibacterianas depois de estudar as asas de cigarras e libélulas.

Eles notaram que, nessas asas, existem nanoestruturas na forma de pequenos pilares que destroem e matam todas as bactérias que tentam se estabelecer nelas. O silício negro (foto acima), com “espinhos” de apenas 500 nanômetros de altura, tem a mesma propriedade: as bactérias literalmente não conseguem tocar a superfície sem serem destruídas pelos espinhos.

Mas há um inconveniente em potencial. O silício negro é bastante útil em sensores de câmera e em células solares, mas ele ainda não se tornou um produto amplamente comercializado. Por isso, ele poderia ser caro para produzir em grande escala.

Felizmente, os cientistas que descobriram as propriedades antibacterianas do silício negro dizem que poderão produzir nanomateriais sintéticos que teriam o mesmo efeito. Seria ótimo para hospitais e até mesmo para maçanetas de porta. [AFP/PhysOrg]

Imagem via Wikipedia