Cinquenta centavos por dia, com quase nenhuma firula. Começou a navegar, a tarifa sai dos seus créditos pré-carregados, sem necessidade de ativação. A internet no celular é ilimitada* (o asterisco é até ok), com velocidade de 300 kb/s. O novo pacote Infinity Web da TIM para celulares pré-pagos é bastante agressivo e busca criar um novo mercado. A rede vai segurar a onda?

O raciocínio da TIM é que ela não está competindo com outras operadoras (ou com eles mesmos, já que o pacote de internet para celular no pós-pago é R$ 29,90), mas criando um serviço para um público que não usa a internet no celular ainda. Em uma conversa com jornalistas hoje, o gerente de marketing da TIM, Rogério Takayanagi, falou um bocado de como uma parcela significativa da população brasileira usa internet primordialmente em lan-house e não aperta o botão do navegador dos celulares pelo medo do preço ou porque não sabem o que podem fazer.

Os comerciais de TV, que irão ao ar a partir de domingo, são educativos, de certo modo. Em um aparece alguém checando os scraps no Orkut na fila do ônibus. Em outro o ator ensina a configurar o cliente java do Messenger. A ideia é focar em usos bem básicos, que funcionam em quase qualquer aparelho hoje em dia. O TIM Infinity Web Pre vai concorrer, no fim das contas, com as lan houses no acesso a redes sociais, e-mail e Messenger ocasional. De acordo com a TIM, os brasileiros deixam de 5 a 7 bilhões de Reais nas lans primariamente para este uso eventual. Abocanhar um pedaço disso no celular é uma mina de ouro.

Para o plano dar certo, a TIM também espera oferecer vários aparelhos razoavelmente amigáveis para internet a um preço camarada. O primeiro que será anunciado é o LG GT360, o famoso e não tão novo LG Messenger, que tem teclado qwerty e funciona ok para Messenger e Twitter, por exemplo. O preço dele será R$ 360, ou 12 parcelas de R$ 30. Este é exatamente o gasto médio que o usuário costumaz de lan-house da classe C tem, e na conta da TIM, caberia no orçamento. A ideia é que até o início do ano que vem aparelhos semelhantes sejam oferecidos a cerca de R$ 250. 

Além dos aparelhos e comerciais, a TIM vai facilitar o download de aplicativos como o cliente java de Orkut ou o Opera Mini, que consomem menos banda e deixam o acesso menos doloroso.  

A princípio, a limitação técnica será velocidade de até 300 kbps (atenção no até) e limite de 300 MB por mês. Mais adiante, o limite deve ser ajustado para 10 MB por dia, que é mais que suficiente para os celulares não-3G que a TIM quer atrair, em teoria: pelos dados da operadora, usuários de iPhone usam cerca de 300 MB, smartphones com Android um pouco menos, Symbian ou Blackberry de 50 a 60 MB mensais e outros celulares com acesso à internet, até 10 MB. Se alguém passar do limite, a velocidade cai para 50 kbps

É claro que, com a expectativa de mais gente usando a rede 3G, há alguma desconfiança sobre a capacidade da TIM em aguentar toda essa possível sobrecarga. Semana passada leitores relataram problemas constantes especialmente em Brasília e em várias cidades do Nordeste. Segundo vários relatos, os atendentes chegam a sugerir a opção pela rede EDGE em vez da 3G. Por todo o Brasil, clientes recém-chegados à operadora reclamam de zonas de sombra e "rede ocupada".

Rogério afirma que isso foi "pontual" – ele diz que a TIM já passou a Vivo em qualidade de sinal – e o consumo médio dos celulares que eles querem atingir com o Infinity Pre não devem causar grande impacto na rede. De todo modo, pede para que os usuários reportem os problemas de cobertura neste site para que mais antenas sejam instaladas em lugares problemáticos.  

O preço de 50 centavos é promocional e deve durar pelo menos 3 meses. Vamos testar e ver se funciona. Mas a verdade é que, hoje, nào há oferta parecida. Ponto pra TIM.