Os carros voadores estão apenas de um a três anos de se tornarem realidade? Provavelmente, não. Mas essa é a afirmação feita pelo novo contratado do Uber — um homem que promete que os carros voadores estão chegando. Só mais dois anos, pessoal!

• Entendendo a nova taxa de 75 centavos do Uber
• Algoritmo mostra como corridas compartilhadas por apps poderiam reduzir drasticamente o trânsito

Uma história da Bloomberg chegou à minha caixa de entrada nesta manhã, afirmando que o Uber havia contratado Mark Moore, um antigo engenheiro da NASA, para liderar a iniciativa de carro voador da empresa. Os carros voadores têm sido o sonho perene de futuristas há mais de um século e eles sempre parecem estar a apenas dois anos de chegar.

“Estes táxis voadores precisarão ter alcance entre apenas 80 e 160 quilômetros, e Moore acha que serão pelo menos parcialmente recarregados enquanto os passageiros embarcam ou desembarcam dos veículos”, publica a Bloomberg.

“Ele (Moore) também prevê que veremos, num futuro previsível, vários carros voadores bem projetados a partir de um a três anos daqui, e que haverá pilotos humanos, pelo menos dirigindo os computadores de bordo.”

Já ouvimos isso antes. A cada seis meses ou algo assim, a imprensa tecnológica e a automobilística parecem sofrer de amnésia e papaguear as últimas notícias de pessoas desenvolvendo carros voadores. Sempre estamos apenas a dois anos da chegada deles. A essa altura, é basicamente um canto de culto: só mais dois anos, só mais dois anos.

Se você não acredita em mim, dá uma olhada nas promessas de carros voadores da última década:

De 2008: “O primeiro Transition irá voar em novembro. Consumidores o terão até o fim de 2009.”

De 2013: “A empresa diz que, atualmente, tem cerca de 100 depósitos para o veículo multiuso de US$ 279.000, e sua produção está marcada para começar em 2015.”

De 2015: “O futuro está aqui porque, em 2017, você poderá comprar um carro voador. É sério.”

E, claro, há inúmeros outros exemplos. Mas digamos apenas que eu não vou esperar nada. De fato, em 2015, eu prometi literalmente comer o sol se o AeroMobil fosse lançado em 2017. Acho que vou esperar até o fim do ano.

O artigo da Bloomberg é uma ótima propagandazinha para o Uber. É legal que algumas pessoas ainda estejam sonhando alto. Mas se você der um passo para trás por um momento e reconhecer o que seria necessário para realmente tornar os carros voadores uma realidade, você saberá que estamos muito mais longe de vê-los voando normalmente pelos céus do que dois anos (desculpa, “um a três anos”).

Ninguém sabe o que o futuro nos reserva, e espero que o Uber possa fazer esse carro voador funcionar. Mas dois anos é um objetivo muito ambicioso, considerando o atual estado da tecnologia VTOL.

E digamos que o atual clima empresarial nos Estados Unidos não dá a muitos líderes a esperança de que veremos qualquer demando por luxos como um carro voador.

Imagem do topo: Uber Technologies