Após semanas de polêmicas, o Uber finalmente fez algo que não seja completamente desonesto ou nojento. O popular serviço de corridas afirmou nesta sexta-feira que facilitará a vida das pessoas que querem deletar suas contas permanentemente, permitindo-lhes fazer isso de dentro do aplicativo.

• Por que o plano dos carros voadores do Uber é bem absurdo
• CEO do Unroll.Me está triste por você descobrir que a empresa vende seus dados para o Uber

Agora, você conseguirá deletar permanentemente sua conta (e todos os dados correspondentes) dos servidores do Uber indo até as configurações de privacidade do app. Anteriormente, os usuários precisavam mandar uma mensagem para alguém da equipe de suporte da empresa para ter essa informação excluída. O novo processo dá aos usuários uma janela de 30 dias antes de deletar permanentemente todos os dados do cliente.

Essa grande atualização é parte de um novo menu de Configurações de Privacidade que está sendo acrescentado ao aplicativo. Ele permite que os usuários tenham um bom controle sobre dados de localização, contatos e outras informações sendo compartilhadas regularmente com o Uber.

É claro, o Uber, pelo visto, ainda encontrou uma maneira de transformar essa atualização aparentemente positiva em algo meio assustador. De acordo com o TechCrunch, o processo foi chamado de “Querido John” internamente — referência a uma carta tipicamente escrita por uma mulher para um homem, encerrando seu relacionamento romântico. O nome é uma escolha especial peculiar considerando as recentes acusações da engenheira de software Susan Fowler, que recentemente descreveu o sexismo desenfreado dentro da empresa.

O agonizante processo de deletar uma conta do Uber também vinha sendo um assunto quente há meses, especialmente após o início da campanha “#DeleteUber” em resposta ao que foi percebido como uma sabotagem a uma greve de táxis no aeroporto JFK, em Nova York, em janeiro, assim como uma resposta ao comunicado do CEO Travis Kalanick sobre a proibição da imigração de países muçulmanos pelo presidente Donald Trump. A campanha para deletar o aplicativo supostamente resultou em 200 mil pessoas desinstalando o serviço em algumas semanas, eventualmente permitindo ao rival Lyft superar o Uber nos rankings de popularidade na App Store.

Entretanto, de acordo com o Verge, o Uber insiste que a decisão de alterar o processo de eliminação da conta não tem absolutamente nada a ver com os resultados da campanha de boicote. “Temos trabalhado em melhorar essa experiência [de deletar uma conta] há mais de um ano”, alegou um porta-voz da empresa.

Portanto, agora você supostamente pode deletar o aplicativo sem ter que arranjar uma briga para conseguir. Isso é uma ótima notícia na superfície, mas não se esqueça de todas as outras coisas escusas.

[TechCrunch, Verge]

Imagem do topo: Getty