A nova ambição de companhias de logística como FedEx e UPS é fazer um marketing especial com entregas por drones. Mas o que acontece quando uma demonstração não sai como o planejado? A UPS sabe, já que recentemente eles bateram um drone de entrega na frente de diversos repórteres.

• A primeira entrega por drone da Amazon levou 13 minutos após o pedido
• Intel estabelece recorde de drones voando simultaneamente

Batizado de “The HorseFly”, o novo drone da UPS se conecta com uma versão híbrida dos caminhões icônicos da companhia. O processo em si é bem legal. Quando o drone está conectado, ele fica carregando para que possa realizar um rápido passeio até a porta da casa do cliente. O motorista da UPS precisa apenas colocar um pequeno pacote (de até 4,5 quilos) em uma gaiola enquanto o drone estiver anexado ao caminhão. A partir daí, o teto do veículo desliza para trás como se estivéssemos numa cena de Star Wars, e o HorseFly voa por alguns metros para entregar o pacote.

Tudo isso soa muito legal – até algo dar errado. Sarah Perez e Lora Kolodny do TechCrunch estavam na demonstração realizada numa fazenda de amora em Tampa, na Flórida, e deixaram esse detalhe no finalzinho da reportagem:

Durante uma segunda demonstração, não-oficial, do HorseFly na segunda-feira, algum tipo de interferência – possivelmente da transmissão das câmeras dos repórteres – causou um problema no compasso do drone. O dispositivo abortou a decolagem, tentou pousar em cima do teto do caminhão, caiu para o lado e foi quase esmagado pela tampa do veículo que ainda estava fechando.

“Nunca vimos isso antes”, disse Burns, sobre o problema.

O caso é decepcionante por algumas razões. Mesmo que o acidente não tenha arrancado a cabeça de ninguém, a ideia de que novos tipos de interferência de rádio possam atrapalhar o voo dos drones significa que a UPS vai precisar trabalhar muito mais antes de deixar essas coisas voarem em público.

E de um ponto de vista mais amplo, é possível que um sistema abrangente de entrega de drones seja impossível, já que a comunicação sem fio tende a ficar cada vez mais complexa conforme a Federal Communications Commission – espécie de Anatel dos EUA – abre o espectro e o ar fica lotado com o ondas de rádio de novos gadgets. Se companhias milionárias não conseguem nem descobrir como fazer fones de ouvido sem fio funcionarem perfeitamente, a ideia dos drones é ainda mais complicada.

Nós meio que já esperávamos por isso. A Amazon basicamente simulou sua primeira demonstração de entrega por drones ao decolar com um pacote super leve e viajar apenas alguns metros numa região remota da Inglaterra. A UPS, pelo menos, conseguiu fazer uma demonstração em condições mais realísticas, mas acabou não funcionando como esperavam.

[TechCrunch]