Nós ouvimos pela primeira vez sobre ventos iônicos refrigerando computadores em 250% em 2007. Dois anos mais tarde, a Tessera – uma empresa de embalagem de chips – modificou a tecnologia de maneira que ela pudesse se acoplar a um laptop funcional.

Os ventos iônicos diferem dos sistemas comuns de refrigeração ao ionizarem o ar e o atravessarem por um chip processador, aumentando o fluxo de ar na superfície e assim criando uma brisa refrigerante sobre um microprocessador quente (como ilustrado acima).

Aparentemente, o sistema de refrigeração da Tessera não apenas consome a metade da energia de outras ventoinhas convencionais de laptop, como também pode eliminar até 30% mais calor. É basicamente a mesma tecnologia de dois anos atrás, só que reduzida para acomodar as suas necessidades mais pessoais e portáteis. [Technology Review via BBG]