O Skype não vai mais oferecer Números Online no Brasil, serviço pelo qual uma pessoa ligava para um telefone fixo e falava com você via Skype. O Google Voice, serviço semelhante ao Skype nos EUA, está apresentando problemas nos celulares de lá. Mesmo o Skype não funciona tão bem em celulares no Brasil. Como fazer o VoIP funcionar melhor por aqui?

Google Voice e seus problemas

Nós falamos aqui no Giz sobre uma parceria do Google com a operadora americana Sprint, que queríamos ver aqui no Brasil também. Era a integração do serviço Google Voice a celulares com planos de dados: se alguém ligar para você, seu celular e seu computador recebem a ligação; mesma coisa com SMS e correio de voz. E você ainda pode fazer ligações internacionais pagando menos que no Skype. Veja abaixo como funciona (via Engadget):

Mas essa integração causou problemas a alguns usuários, e a falta de suporte do Google, aliado ao despreparo dos atendentes da operadora, não ajudaram. Se o cliente liga pra Sprint, eles mandam você reclamar com o Google, mas não via e-mail ou telefone: você tem que mandar sua reclamação para um fórum, aparentemente esquecido pelo Google. E a resposta oficial do Google para quem tiver problemas é: fale com a Sprint.

O Google é conhecido por ter um suporte fraco ao usuário: quando o Nexus One foi lançado e deu problemas, os usuários descobriam que não havia ninguém a quem recorrer – apenas fóruns lotados de perguntas e reclamações. Desta vez, depois que o Engadget reuniu as principais reclamações dos usuários, o Google e a Sprint responderam.

Ligações internacionais que acabaram não passando pelo Google Voice geraram cobranças altas, que o Google se dispôs a reembolsar. Um bug de segurança, que permitia acesso ao correio de voz de outro usuário, “não é uma ameaça hoje”, segundo o Google. E problemas de ativação no serviço, causados por atendentes que deletaram o código GGLVOICE das contas de alguns usuários, não devem mais acontecer no futuro. Todos os detalhes estão no Engadget.

Skype e o fim do Número Online

O grande atrativo do Google Voice não é só fazer ligações por VoIP no computador: é recebê-las em vários dispositivos ao mesmo tempo. Era o que acontecia no Número Online do Skype (ou SkypeIn), com uma vantagem a mais: você comprava um número de telefone, e podia escolher entre vários DDDs. A ligação ia para o computador e para o smartphone (rodando app para Skype). Para quem mora em uma cidade, mas precisa ter um número fixo em outro DDD – pense em profissionais liberais ou microempresas que atuam em várias cidades – o serviço é quase indispensável.

Bem, este serviço acabou esta semana. A Skype disse que a Transit Telecom resolveu não mais oferecer o serviço; a operadora, por sua vez, culpou a “atitude unilateral da Skype” de usar outras empresas para seu tráfego. Quem quer que esteja certo aqui, a questão é que o serviço acabou no Brasil.

Claro, você pode continuar usando o Skype para fazer ligações para qualquer telefone – ensinamos aqui como fazer. Receber ligações no celular via Skype é o problema. E o Skype não tem várias outras vantagens do Google Voice – transcrição de mensagens na caixa postal, receber SMS no computador, integração com celulares tão profunda como na Sprint. Por isso nós queremos o Google Voice no Brasil, ou um serviço semelhante.

Uma esperança é a possível aquisição do Skype pelo Google: quem sabe eles façam parceria com operadoras no Brasil e em outros países, tal como fazem nos EUA. Hoje, o Google Voice parece ser mais uma forma de coletar dados que um negócio importante para o Google: enquanto o GV escuta os recados da caixa postal para transcrevê-las, o Google aprende cada vez mais a transformar fala em palavras. Se o Google adquirir o Skype, no entanto, o serviço de voz deve se tornar parte importante da empresa.

No Brasil, há diversas opções para quem quer usar um número online: Vono (da GVT), Azzu (da CTBC), UOL VoIP (com serviço da Transit Telecom), TellFree, TESA Telecom e outras. Só que estes serviços não têm integração com grandes operadoras de celular – caso do Google Voice com a Sprint nos EUA – e só Vono e Azzu funcionam em celular. E grandes operadoras, como Vivo e Oi, não oferecem o serviço. De novo, não temos VoIP bem integrado ao celular.

Fazendo e recebendo ligações via Wi-Fi

Afinal, como as operadoras no Brasil poderiam integrar o VoIP nos celulares? Uma forma é permitindo ligações via Wi-Fi. É o que oferece a operadora T-Mobile nos EUA, e funciona assim: quando você estiver numa área com pouca cobertura, mas com acesso a Wi-Fi, você faz e recebe telefonemas e SMS através do Wi-Fi. As ligações são cobradas normalmente, descontando os minutos do seu plano, mas você não usa a rede da operadora, e toda ligação é cobrada como se fosse feita do seu DDD – mesmo que você esteja em outro país.

O serviço ajuda a desafogar a rede da operadora, você economiza na conta – pode sair da sua cidade e fazer ligações para lá a custo de local – e muita gente usa o serviço: na T-Mobile, são feitas mais de 40 milhões de ligações via Wi-Fi todo mês. E a qualidade é muito boa: segundo o Engadget, ele “simplesmente funciona” e “todos com quem falamos ao telefone ficaram decididamente impressionados com a qualidade da nossa voz”. O Wi-Fi não é tão disseminado no Brasil como nos EUA, mas se eu tivesse a escolha, iria preferir usar meu Wi-Fi que depender da minha operadora.

Você prefere usar um serviço gratuito de VoIP? Se você não se importar com menor qualidade de voz, tudo bem. Mas telefonemas são coisas que devem simplesmente funcionar, sem problemas de lag ou distorção de voz – como acontece no Skype se a conexão não for rápida o bastante. Então uma solução de VoIP vinda de grandes operadoras seria muito bem-vinda.

A operadora quer cobrar pelo DDD? Eu não quero, mas se precisar disso pra oferecer ligações por Wi-Fi, ótimo, cobre. Faço e recebo ligações locais usando Wi-Fi (a recepção no meu apartamento não é boa) e DDDs e DDIs através do Skype. Sem usar o 3G, claro – isso não dá muito certo, só se você estiver numa área com sinal 3G forte e constante.

As operadoras no Brasil têm muito o que aprender com os serviços de internet. Há mais de um ano, eu pedi planos de dados decentes para smartphones, e depois de muito esperar, eles vieram. Será que as operadoras vão adotar o VoIP também? É esperar para ver.

Fotos por Thomas Lieser/Flickr e Beau Giles/Flickr