Ben Rudolph, evangelista de produtos Microsoft, fez na feira CES a campanha “Smoked by Windows Phone”: se seu smartphone fosse mais rápido, você ganhava dinheiro; senão, você levava um Windows Phone. A campanha continuou e foi expandida para Microsoft Stores nos EUA, com outro prêmio: quem ganhar leva um laptop de US$1.000; quem perder pode trocar seu smartphone (que você entrega para ser reciclado) por um Windows Phone. Porém, depois que um usuário ganhou o desafio mas teve o prêmio negado, ficou evidente a controvérsia sobre a campanha de marketing. O que a Microsoft faz para garantir que o Windows Phone (quase) sempre ganhe?

Desde janeiro a campanha vem recebendo críticas (assim como elogios), mas agora a polêmica aumentou. Sahas Katta foi a uma loja da Microsoft com seu Galaxy Nexus e ganhou o desafio de mostrar a previsão do tempo para duas cidades. No Windows Phone, era só destravar a tela e ver as tiles do app Weather. Mas Sahas foi mais esperto: antes do desafio, ele desativou a tela de trava no Android e colocou dois widgets de tempo na tela inicial. Ele ganhou! Mas não levou o laptop: a loja aparentemente não aceitou a derrota. Sahas diz que o funcionário deu a desculpa de que, no desafio, as duas cidades precisam estar em Estados diferentes.

Depois de tirar uma foto segurando a plaquinha “Meu Android comeu poeira do Windows Phone”, ele foi embora – e contou tudo em seu blog. A polêmica cresceu a ponto de Ben Rudolph oferecer um ultrabook de US$1.049 e um Nokia Lumia 800 com kit de áudio que juntos custam US$899. Sahas está vendendo ambos no eBay e vai doar tudo para a caridade. Polêmica resolvida? Ainda não.

A Microsoft criou cinco desafios para a concorrência disputar com o Windows Phone: tirar foto e postar na web; atualizar status em mais de uma rede social; obter informações na tela inicial; localizar pontos de interesse próximos; e entrar em contato com alguém. Obviamente a Microsoft não criou esses testes a esmo: eles são predeterminados para explorar os pontos fortes do WP, como a integração com redes sociais. E os desafios simples, como ver informações na tela inicial, são voltados para quem não manja de tecnologia, ou tem um aparelho antigo, ou quer mesmo perder o desafio e levar um Windows Phone.

Não há dúvida que os funcionários das Microsoft Stores são instruídos a evitar desafios que possam perder. E o The Verge descobriu que de fato, a Microsoft sabe – e ensina – onde o Windows Phone não ganha da concorrência. Por exemplo, o guia interno da campanha pede que o funcionário evite usar o desafio de “obter informações na tela inicial” se o usuário tiver Android: “usuários do Android têm acesso a widgets que podem, se configurados adequadamente, exibir o tempo e outras informações em tempo real”. Para o desafio de postar foto em rede social, o guia interno avisa que o iPhone 4S “tem uma função semelhante e uma câmera bastante rápida, então é um sério concorrente nessa categoria”. Postar em mais de uma rede social também pode ser feito via TweetDeck ou Siri.

O The Verge também foi a uma Microsoft Store para participar do desafio. Sean Hollister levou seu Milestone 4, com dual-core e 4G, e perdeu o desafio: tirar uma foto de si próprio, taguear e postar no Facebook mais rápido. Ele perguntou se podia praticar antes, mas o funcionário disse que não. Afinal, esta é uma campanha de marketing, não um teste de laboratório: como aponta o The Verge, a ideia é “mostrar como o Windows Phone pode ser rápido para você querer um”. A loja insiste que você use o Wi-Fi da loja, para a velocidade da rede não influenciar no desafio: Sean testou o Wi-Fi e viu que tinha velocidades “bem razoáveis” – e o funcionário usava a mesma rede.

O desafio parece estar se espalhando para outros países. No lançamento do Lumia 800, a Nokia fez o desafio “Meu celular comeu poeira do Nokia Lumia com Windows Phone”: blogueiros e jornalistas de tecnologia ficaram para trás ao postar uma foto no Facebook. Não teve nada de testes simples como “obter informações na tela inicial”, por exemplo, porque o público é mais experiente e a Nokia/Microsoft sabe disso. O Rafael Silva do Tecnoblog quase conseguiu ser o primeiro, espertamente usando a câmera frontal do iPhone para acelerar o processo – mas comeu poeira com os outros. Afinal, é uma campanha de marketing, e a Microsoft precisa garantir que o Windows Phone saia na frente. [The Verge]