Você provavelmente não ficará surpreso ao descobrir que surgiu mais um novo concorrente ao Bitcoin. Um grupo de criptógrafos acaba de anunciar a criação do Zerocoin, uma criptomoeda cujo diferencial é ser anônima – mas que, fora isso, é muito parecida com as dezenas de outros moedas virtuais por aí.

De certa forma, a Zerocoin será útil, especialmente para quem procura privacidade. O próprio Bitcoin admite em um FAQ que “o Bitcoin não é anônimo”: cada transação é registrada e vinculada a uma conta, e estes detalhes e histórico são totalmente públicos.

Inicialmente, o Zerocoin era apenas uma camada de segurança do Bitcoin que protegia a privacidade do usuário. No entanto, seus criadores resolveram lançar uma nova moeda e usar o nome do Zerocoin. Ela utiliza o princípio matemático da “prova de conhecimento-zero” e mostra o resultado final das transações sem revelar o processo de cálculo utilizado para chegar lá.

Mas sério, gente? Precisamos de mais uma moeda virtual para realizar esse sonho tecnolibertário de dinheiro que não depende do governo? Já existem:

Com tantas moedas virtuais diferentes por aí, vale a pena perguntar se essa fragmentação não vai só desestabilizar todo o ecossistema de criptomoedas. Afinal, uma moeda se torna viável basicamente por ser amplamente reconhecida e aceita. Quem quer aceitar 35 tipos diferentes de moeda virtual? E mais: quem quer investir nelas?

Toda a experiência do Bitcoin acabou fazendo com que essas imitações de moeda virtual emergissem. Talvez a mão invisível do mercado faça com que elas desapareçam em algum tempo. Mas até lá, você poderá converter seus reais em Zerocoins. Elas serão baratinhas. [Forbes / Imagem via Flickr antanacoins]