Quando eu era pequeno, meus livros favoritos eram aqueles que mostravam desenhos das partes internas de aviões, barcos, locomotivas, naves espaciais e todo tipo de máquina. E elas continuam incríveis. Ver as entranhas de grandes feitos de engenharia é algo incrível.

Separamos alguns exemplos sensacionais (e outros surpreendentes), incluindo a foto acima. O que diabos é esse Exterminador do Futuro pronto para matar alguém?

Você já o viu muitas vezes por fora. Mas é assim que ele é por dentro: o tanque de hidrogênio líquido de uma nave espacial.



Fotos: NASA/NASA


O esqueleto do foguete Saturn IB S-IB sem seus tanques e os oito motores H-1, que combinados produzem um impulso de 800 toneladas.

Foto: NASA/Michoud Assembly Facility


As entranhas malucas do Planck Observatory, uma nave espacial construída pela Agência Espacial Europeia para “observar as anisotropias das ondas de radiação cósmicas”. E comer humanos, aparentemente.

Foto: European Space Agency (ESA)/Stephane Corvaja


A sala de máquinas do MV Tricolor, um navio norueguês que afundou no Canal Inglês carregando 3 mil automóveis.

Foto: tricolorsalvage.com (fora do ar) via The Atlantic e Marine Nationale/Getty Images


As partes internas de um scanner de tomografia. Esse treco pode rodar duas vezes por segundo.

Foto: The Herald/Dan Bates


Parte da capota de motor de um bombardeiro B-25 sendo montada em 1942.

Foto: Library of Congress Prints e Photographs Division/Alfred T. Palmer


O motor de um avião moderno: o motor turbofan GP7000, da Engine Alliance, capaz de impulsionar 363 kN em força máxima.

Foto: AP/Jessica Hill, Jens Meyer


A visão aberta da câmara de combustão e de rotor de uma máquina bem violenta, a turbina de gás SGT5-400F.

Foto: Siemens AG


O interior de outra nave espacial bem familiar: a nave-mãe do 747, da NASA.

Fotos: NASA


Um supercomputador nu e aposentado: o Cray Y-MP, que fica no Laboratório Nacional Lawrence Livermore, nos EUA.

Foto: LLNL


Mais máquinas: os tubos de água e a fornalha da locomotiva à vapor CPR 8000 eram um complexo e maluco trabalho de encanamento.

Foto: Brass Goggles


Compare a imagem acima com essa locomotiva elétrica velha de guerra, a V40, da Kalman Kando.

Scaneado de Möller Károly: A mai technika. Királyi Magyar Egyetemi Nyomda (Universidade de Imprensa Real da Hungría), Budapeste, 1942, fotógrafo desconhecido.


Curadoria de imagens por Attila Nagy