Os cientistas previram que um par de estrelas em nossa galáxia colidirá, produzindo uma explosão que se tornará temporariamente um dos objetos mais brilhantes do céu noturno. Eles não sabem exatamente quando isso vai acontecer, mas estimam que será no final deste século.

V Sagittae é um par de estrelas despretensioso e fraco a 1.100 anos-luz de distância na constelação de Sagitta. O sistema brilha regularmente desde 1890, sugerindo que as estrelas estão se aproximando à medida que uma perde matéria para a outra. Pesquisadores da Louisiana State University fizeram um novo conjunto de cálculos, estabelecendo um ano em que as estrelas colidirão e produzirão uma explosão visível da Terra: 2083, com uma margem de erro de 16 anos.

“Por talvez algumas semanas, ele será o objeto estelar mais brilhante do céu”, disse ao Gizmodo Juhan Frank, um dos autores do cálculo e professor da LSU. “Pode até brilhar mais que Vênus, embora essas previsões sejam incertas”.

V Sagittae é uma variável cataclísmica, um sistema que contém uma estrela normal que orbita e derrama matéria sobre um cadáver estelar denso chamado anã branca. Embora este objeto seja escuro quando visto da Terra, é um dos objetos mais brilhantes de seu tipo. Normalmente, a anã branca é o objeto mais pesado do par, mas, neste caso, a estrela comum é mais pesada.

A equipe revisou as observações feitas da estrela desde 1890 e dois bancos de dados independentes mostraram que o objeto cresceu 10 vezes mais desde então. Eles incluíram essas informações em um modelo matemático, que previa que a estrela depositaria uma quantidade crescente de material na anã branca, fazendo com que ela espiralasse para dentro e liberasse uma quantidade enorme de energia que a fará brilhar por semanas. Ela então escurecerá em outro objeto, que Frank imaginou que seria uma estrela gigante vermelha, embora não pudesse dizer com certeza. Os pesquisadores apresentaram seu trabalho na 235ª reunião da Sociedade Astronômica Americana em Honolulu, no Havaí.

Isso ainda é uma previsão, com base na suposição de que o comportamento observado nos últimos 120 anos é a representação correta da evolução do binário e que nada de estranho acontecerá de outra maneira. As previsões podem estar, e muitas vezes estão, erradas. De fato, os cientistas já lançaram dúvidas sobre uma previsão semelhante de 2022 para uma Nova potencialmente visível da Terra.

Mas os pesquisadores a quem pedimos para revisar os cálculos consideraram o trabalho inteiramente plausível. “O V Sagittae está registrado há muito tempo como um sistema variável cataclísmico único, com uma estrela companheira muito mais massiva que qualquer outra e um brilho de anã branca muito maior que qualquer outra”, disse Larry Molnar, professor da Universidade Calvin, ao Gizmodo em um email. “O grupo da LSU tirou essas propriedades únicas da obscuridade, adicionou uma nova peça ao quebra-cabeça (o brilho do século passado) e tirou a única conclusão consistente com tudo o que sabemos (que deve haver uma explosão massiva no final do século)”.

Michael Shara, curador e professor de astrofísica no Museu Americano de História Natural, também achou o trabalho razoável. Ele achou que a margem de erro (que a colisão ocorrerá dentro de 16 anos da data estimada) provavelmente era pequena demais e apontou que o modelo ainda ignora alguns efeitos potenciais. Por exemplo, é possível que a anã branca que está se tornando mais brilhante altere a taxa de absorção da massa da outra estrela. Ainda assim, ele disse ao Gizmodo por e-mail: “A capacidade de prever um evento desse tipo, décadas antes, fala do poder da física relativamente simples e elegante”.

A equipe da LSU espera que outros astrônomos desafiem seu trabalho, especialmente com a atenção da imprensa. Mas se essa estimativa permanecer, podemos esperar um verdadeiro show que muitos leitores do Gizmodo estarão vivos para ver. Vamos torcer para ainda estarmos vivos (e para que a poluição luminosa não tenha afetado completamente nossa visão do cosmos).