Na manhã desta terça-feira, 21, o Waze, um dos apps de GPS mais populares do planeta, apresentou uma instabilidade global que acabou afetando muitas pessoas que utilizam o aplicativo, principalmente, para trabalho. Muitos usuários relataram que tiveram seus trabalhos impactados pela queda do app.

É o caso do Dr. Felipe Caldas, 43, residente da cidade de São Paulo e veterinário há 20 anos. Com a pandemia, Caldas viu seu modelo de atendimento mudar radicalmente. Antes de 2020, o veterinário tinha um maior volume de atendimentos em consultório, com a pandemia, passou a atender mais clientes — preocupados com o avanço da doença — em domicílio.

Para realizar os atendimentos nas residências de seus clientes, o Dr. Caldas utiliza o Waze como ferramenta para se deslocar pela cidade e encontrar as melhores rotas para locais que não conhece.

Nesta terça-feira, o veterinário tinha quatro consultas em domicílio para realizar, mas com a queda do aplicativo, conseguiu realizar apenas duas. Como não conhecia as outras localidades, não foi possível dirigir-se até seus clientes. Felizmente, os clientes entenderam o problema com o aplicativo de GPS e, como não eram atendimentos de urgência, puderam remarcar as consultas.

Em conversa com o Gizmodo Brasil, Dr. Felipe afirmou que após perceber a queda do app lembrou do Guia Quatro Rodas, um mapa rodoviário publicado pela editora Abril que trazia um mapa da cidade com indicações de principais rodovias, hospitais e pontos de referências úteis para os usuários. O guia deixou de ser publicado em edições físicas em 2014.

Tiago Freitas de Mattos, de 25 anos, foi outro trabalhador que sofreu bastante com a queda do aplicativo. O Waze é o principal aplicativo utilizado pelo taxista, que ao abri-lo hoje pela manhã, pensou que fosse problema com o celular o com a conexão de internet.

O taxista conseguiu contornar o problema com a ajuda de seus passageiros que conheciam bem o caminho até seus destinos, fato que evitou que Tiago ficasse complemente no escuro durante o apagão do app.

Foi a primeira vez que Tiago passou por uma situação do tipo com o Waze. O taxista pensou até mesmo em desinstalara e reinstalar o aplicativo para ver se ele voltaria a funcionar, mas ouviu a notícia em um programa de rádio e percebeu que não havia muito a ser feito, a não ser aguardar o retorno do aplicativo.

O Waze foi comprado pelo Google em 2013, mas é famoso por apresentar um visual mais clean, em comparação com o Google Maps, priorizando somente as informações mais relevantes para quem está seguindo uma rota na estrada, como limites de velocidade, postos de combustíveis, problemas que podem atrasar a chegada ao destino final, entre outros.

Outro ponto forte da plataforma é que os usuários podem atuar de forma colaborativa, reportando problemas nas vias, acidentes, trânsito e até condições climáticas quando estiver em determinado trecho. Isso ajuda os motoristas a escolherem melhores rotas e fugirem de vias que podem dar aquela dor de cabeça.

Assine a newsletter do Gizmodo