A vida de quem tem plano 4G nas cidades de São Paulo, Santo André, São Bernardo e São Caetano do Sul está prestes a melhorar. Isso porque a Anatel (Agência Nacional das Telecomunicações) anunciou que vai liberar o uso da frequência de 700 MHz pelas operadoras a partir desta terça-feira (24).

O 5G está chegando e os testes já devem começar no início de 2019

A regra geral para frequências é assim: quanto menor, melhor a cobertura. Quando o 4G começou no Brasil, as frequências leiloadas eram de 2,5 GHz. Com o desligamento do sinal da TV analógica, transmitida na frequência de 700 MHz, a Anatel passou a liberar esse “espaço”, o que deve melhorar consideravelmente a cobertura em áreas fechadas — já cansei ouvir de casos de pessoas cujo sinal 4G não funciona enquanto estão em casa, só em áreas altas e abertas.

De acordo com a Anatel, a faixa permite transmissão de banda larga móvel podendo chegar a 45 Mbps (Megabits por segundo).

Na prática, como informa o Teletime, as operadoras já estavam se preparando para isso há um tempo. A Claro na semana passada afirmou que já estava pronta para liberar 4G na frequência de 700 MHz na cidade de São Paulo. TIM e Vivo também devem possibilitar o uso dessa frequência nos próximos dias. A Oi não participou do leilão de 700 MHz, então pode demorar um tempo para a operadora entrar nessa.

Importante ressaltar que a habilitação do 4G em 700 MHz tem sido feita aos poucos. Cidades como Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Porto Alegre, só para citar capitais, já operam com esse tipo de conectividade.

A liberação da faixa de 700 MHz não só é boa para aumentar a cobertura de 4G como também para possibilitar melhorias. Aqui me refiro à ativação do LTE-Advanced Pro, conhecido como 4,5 G. Algumas operadoras utilizarão essa nova frequência para fazer agregação de portadora combinadas com as outras faixas disponíveis (1,8 GHz e 2,5 GHz) para fornecer conectividades mais altas para seus clientes.

De modo geral, a banda 28 (700 MHz), como é conhecida, está presente na maioria dos smartphones atuais. Caso você queria checar, basta acessar o site WillMyPhoneWork. Lá, você coloca a marca, modelo e operadora, e ele diz se seu aparelho é compatível.

[Teletime]