O MWC (Mobile World Congress) 2019, feira de tecnologia realizada em Barcelona, mal começou e já vimos uma série de lançamentos. Além de aparelhos ambiciosos, esquisitos e sofisticados, sem dúvida um dos principais assuntos do evento é o 5G.

Por ora, as principais operadoras dos EUA já estão começando a implementar redes 5G, e com um novo Galaxy S10 5G, um novo modem da Qualcomm 5G e vários smartphones apresentados no MWC com 5G, parece que estamos atingindo um ponto de partida para o início desse padrão de conexão.

O 5G deve marcar a 5ª geração de comunicação móvel e, com isso, empresas de tecnologia têm feito uma série de promessas sobre o que essas redes podem oferecer em um futuro próximo. Estamos falando de velocidades de download que potencialmente podem ultrapassar 1 Gbps (Gigabit por segundo), latências menores de cinco ou 10 milissegundos e redes robustas o suficiente para lidar com o crescente número de dispositivos IoT.

Mas antes de ir com tudo para cima do 5G durante este ano, há quatro grandes motivos para sermos pessimistas com a tecnologia entre agora e o próximo ano, pelo menos nos EUA.

O 5G quase não está disponível

O primeiro problema é a disponibilidade limitada de redes 5G. É verdade que, dependendo onde você vive nos EUA, você pode ter sorte o suficiente de ter cobertura 5G em sua região. Ao olhar o mapa de cidades com alguma cobertura 5G fora Nova York, Los Angeles e Las Vegas, e algumas áreas do Texas, há poucos lugares com sinal de 5G nos EUA. Olhe esses mapas apenas para ter uma ideia geral de onde o 5G realmente está.

De fato, a operadora Sprint não tem cobertura 5G de qualquer tipo e começará implementar redes em nove territórios nos EUA começando alguma disponibilização em maio.

A operadora AT&T está indo um pouco melhor, com 12 cidades que têm algum tipo de cobertura 5G. Mas, se você ler com cuidado, notará que até mesmo a companhia diz que o 5G+ (que é a nomenclatura sem sentido da AT&T para 5G) está apenas “disponível em áreas específicas” dentro dessas localizações. Ou seja: você não deve esperar uma cobertura 5G confiável, mesmo nesses locais. Então, você precisará descobrir se sua casa tem cobertura, além de outros locais que você frequentemente visita para assegurar que terá uma experiência 5G completa.

A Verizon começou sua entrada no 5G no fim do ano passado quando apresentou hotspots 5G para algumas casas, embora também esteja construindo infraestrutura móvel na preparação para a chegada de smartphones 5G durante este ano. Atualmente, o equipamento para casa da Verizon está disponível “em áreas selecionadas” de Los Angeles, Sacramento, Houston e Indianapolis.

Módulo 5G da MotorolaApesar de ter sido anunciado em agosto de 2018, ainda não há informações oficiais de quando o 5G Moto Mod para o Moto Z3 será disponibilizado. Crédito: Motorola

Enquanto isso, devido ao desdém da T-Moblie pelas iniciativas da Verizon e AT&T, a operadora escolheu deixar os hotspots 5G de lado e a implementar 5G no espectro de 600 MHz em algumas cidades. Diferente das instalações em ondas milimétricas da AT&T e Verizon, a banda baixa da T-Mobile oferece melhor alcance e penetração de sinal em prédios.

No entanto, esses resultados vêm com uma desvantagem, pois essa banda baixa não consegue velocidades na casa de 1 Gbps ou latência superrápida, duas características consideram os potenciais benefícios do 5G. E embora a companhia prometa implementar a tecnologia em 30 cidades até o fim do ano, até a própria T-Mobile admite que não terá cobertura por todo o território dos Estados Unidos até 2020.

A título de comparação, o Brasil deve realizar leilões de frequência 5G em algum momento deste ano. Então, talvez comecemos a ver alguns testes até o fim do ano e algum tipo de operação comercial no próximo ano.

Smartphones 5G vão ser bem caros

A segunda preocupação sobre o 5G é sobre o dinheiro que você precisará gastar para atualizar para a tecnologia. A menos que você seja uma das poucas pessoas que compraram o Moto Z3 no ano passado com a esperança de ser a primeira pessoa do bairro com a capinha 5G da Motorola, quem quiser se conectar às redes 5G precisará comprar um smartphone novo. Isso significa, pelo menos, que você vai gastar pelo menos US$ 500 nos EUA em um novo telefone mais o preço do módulo 5G da Motorola.

Uma alternativa, caso você esteja pensando em comprar um telefone 5G tradicional que não necessita de um complemento, considere isto: em dezembro, Carl Pei, fundador da OnePlus, disse que ele espera que o aparelho 5G da companhia custe de US$ 200 a US$ 300 mais caro que um smartphone 4G LTE. É uma grana alta a se gastar em um telefone por algo com benefícios nebulosos, pelo menos no início da implementação das redes.

Demonstração de app de beisebol num smartphone SamsungQuanto você está disposto a pagar para ver um ícone 5G na sua barra de notificações? Crédito: Sam Rutherford/Gizmodo

Enquanto isso, embora a Samsung tenha preços de US$ 750 (Galaxy S10E), US$ 900 (Galaxy S10), US$ 1.000 (Galaxy S10+), além do caríssimo Galaxy Fold de US$ 2.000, a companhia sul-coreana não revelou o preço do Galaxy S10 5G. Mas, se fizermos uma aproximação usando o preço do S10+ (US$ 1.000) como referência, e considerando a tela gigante do S10 5G de 6,7 polegadas, suas duas câmeras de profundidade e todas as antenas e modem, estamos falando de um aparelho que custa US$ 1.500 ou mais.

É o tipo de situação parecida com o LG V50 5G, pois, ainda que tenha sido anunciado, nem a LG nem a operadora Sprint (a primeira a receber o V50) anunciaram o preço do aparelho. Além disso, parece que as fabricantes sabem que esses aparelhos serão difíceis de vender tendo como argumento apenas a compatibilidade com 5G, então tanto LG como Samsung adicionaram itens em seus smartphones como câmeras de profundidade ou um acessórios de tela dupla para ajudar a aumentar o valor deles.

Resumindo, qualquer pessoa que pensem em comprar um smartphone 5G em 2019 precisará mais de US$ 1.000 para gastar, e não estamos considerando os prováveis gastos de planos 5G, que devem custar mais que o normal — as operadoras ainda não deram detalhes sobre custos.

Os usos mais interessantes do 5G ainda não existem

Finalmente, para a maioria das pessoas, a velocidade não é o suficiente. Não ainda. Isso porque uma as promessas do 5G é a habilidade de ser compatível com dispositivos como drones, carros com conexões para celular, TVs, e mais, todos conectados uns aos outros e a todo tempo, de modo que eles possam se comunicar em uma rede sem fio superrápida. O problema é que todas essas variações de dispositivos 5G e apps 5G ainda não existem.

No momento, se você tiver um smartphone 5G conectado a uma rede 5G com pico de velocidade, o que isso proporcionaria a você? Você provavelmente poderia baixar um monte de filmes e músicas rapidamente — mas, se você está pensando em streaming, também não tem muito conteúdo 4K para se assistir.

O app de demonstração de beisebol da Samsung era legal, mas algo que ainda não pode ser replicado em escala. Crédito: Sam Rutherford/Gizmodo

No estande da Samsung no MWC, a companhia demonstrou um S10 5G rodando uma transmissão ao vivo 5G que estava mostrando um jogo de beisebol em que você podia controlar o feed de vídeo com de diferentes câmeras. É uma aplicação bem legal que a banda larga 5G oferece, permitindo que você troque do ângulo por trás do rebatedor para a do cara que está na primeira base. No entanto, o app é uma criação única, não algo que qualquer fã de beisebol poderá ter acesso ao comprar um smartphone 5G.

E com a possibilidade latência abaixo de 10 ms no 5G, você poderá também jogar games multiplayer como PUBG, Smash Bros ou Apex Legends (este último fazendo tethering do seu telefone com o computador) com o mesmo tipo de experiência sem atrasos que você conseguiria jogando no Wi-Fi de casa. E é só. O poder da chamada revolução 5G só acontece quando esses dispositivos atingirem altas velocidades, não só apenas um.

Conforme 2019 avança, os principais grupos que devem usar 5G de forma efetiva são empresas que podem tirar proveito da banda larga super-rápida para enviar arquivos gigantes com segurança entre distintos locais.

5G ainda é o futuro

Não é por causa disso tudo que estou desapontado com o 5G, pois a tecnologia ainda tem bastante potencial. Testar novas tecnologias é divertido e ser um early adopter dá a você uma experiência de como novos ecossistemas e plataformas se desenvolvem com o tempo. Mas para 2019, é importante perceber o que o 5G móvel realmente é: uma grande teste. Na melhor das possibilidades, é como comprar algo na pré-venda ou dar grana para algum projeto do Kickstarter — nos dois casos, as ações são movidas mais pela esperança e sonho do que na realidade em si.

Então, se você tiver algum dinheiro sobrando e estiver curioso sobre 5G — ou é o tipo de pessoa que gosta de postar “First” em vídeos do YouTube ou caixas de comentários — vá com tudo e mergulhe no 5G. Mas para o resto das pessoas, você deve economizar um bom dinheiro, até porque a previsão que a taxa de adoção de 5G em smartphones esperada seja de 0,4% em 2019. Portanto, você não vai perder muito.