Todos nós queremos que nossos aparelhos e tecnologias fiquem seguros, mas também queremos uma vida fácil e conveniente — e, às vezes, as duas coisas não se encaixam muito bem. Abaixo, listamos algumas das maneiras como você está colocando seus dispositivos sob riscos, talvez sem nem perceber — e o que você pode fazer para parar.

1) Assistindo a filmes e séries ilegalmente

Foto: HBO

Provavelmente, não precisamos falar sobre as várias maneiras de acessar filmes de grande sucesso, esportes ao vivo e os mais recentes programas de TV gratuitamente, mesmo quando você deveria estar pagando para acessá-los. Faça uma rápida pesquisa na internet se precisar se atualizar sobre isso.

Mas tudo o que atrai uma grande multidão — como um streaming gratuito ilegal de uma série importante — também atrai criadores de malware. Se você está vendo um streaming ou baixando algo de forma ilícita, está confiando em quem fornece o material e nos meios de entrega. Se o conteúdo estiver sendo oferecido gratuitamente, pergunte a si mesmo o que está financiando a operação.

Isso não significa dizer que todos os sites de streaming ou programas de torrent são desonestos ou mesmo que a maioria deles seja; mas é justo dizer que as pessoas com interesse em infectar seus dispositivos com vírus e malware conhecem todos os truques para atrair cliques. E um desses truques é envolver código malicioso em algo muito tentador, como um plugin de navegador para assistir a novos filmes gratuitamente.

Captura de tela: Gizmodo

É difícil dizer exatamente o quanto isso é arriscado, mas uma pesquisa sugere que seu dispositivo se torna significativamente mais vulnerável. Além disso, a obtenção de conteúdo pirata geralmente envolve a instalação de softwares no seu sistema, softwares que normalmente garantem muito controle sobre o que acontece na sua conexão com a internet. Isso também pode te deixar exposto.

A melhor maneira de evitar a ameaça é pagar pelo que você assiste pelos canais oficiais. Você terá certeza de que os arquivos com os quais está lidando são legítimos e seguros. Além disso, saberá que os aplicativos usados para exibir o vídeo também são legítimos.

Se você precisa se aventurar por áreas mais sombrias, seja muito exigente quanto aos serviços e aplicativos com os quais lida e certifique-se de que seus dispositivos estejam bem protegidos por um antimalware de boa reputação. Tenha o mínimo possível de softwares e extensões instalados e mantenha os softwares existentes em seus dispositivos atualizados.

2) Compartilhando suas contas com outras pessoas

Captura de tela: Gizmodo

Seja com seus pais sabendo suas informações de login na Netflix ou o seu parceiro tendo acesso à sua conta de e-mail, compartilhar informações da conta é comum. Além da ameaça de ser dispensado de qualquer serviço em que a prática é desaprovada, você também está tornando suas contas e dispositivos mais vulneráveis ​​em geral.

Você até pode ter muitos aplicativos de segurança de alta qualidade em execução no seu notebook, mas e os seus primos, eles têm? Você pode saber a diferença entre uma mensagem pop-up desonesta e um alerta de sistema operacional genuíno, mas seus pais sabem? Quanto em mais dispositivos as suas contas estiverem sendo usadas, mais expostas serão as informações da sua conta, independentemente de estarmos falando de contas do Instagram ou de serviços de streaming. É simples assim.

Certifique-se de que você sabe quem tem seus detalhes de login e mantenha essa lista de pessoas a menor possível (mudar uma senha é uma maneira rápida de começar do zero). Além disso, mantenha-se atento a atividades suspeitas (como logins não reconhecidos) e aja se necessário — você pode verificar as atividades recentes em sua conta Netflix nesta página, por exemplo.

3) Usando códigos PIN e padrões de desbloqueio pequenos

Captura de tela: Gizmodo

Qualquer tipo de bloqueio em seu dispositivo é muito melhor do que deixá-lo aberto para qualquer pessoa que passe por ele, mas alguns mecanismos de bloqueio são mais seguros do que outros. Usar um PIN de quatro dígitos pode significar menos toques para seus dedos, mas um PIN de seis dígitos significa que um ataque de força bruta tem 990 mil combinações a mais para tentar.

Aliás, é melhor que você use oito ou mais dígitos para dificultar o máximo possível a invasão ao seu dispositivo. O Android permite que você alcance até 16 caracteres (em Tela de bloqueio e Segurança, nas configurações), enquanto no iOS o limite é de 37 caracteres (toque em Touch ID e Código/Face ID e Código, nas configurações).

Como já escrevemos antes, um código PIN grande é, na verdade, a maneira mais segura de bloquear seu telefone — diferentemente da biometria, ele não pode ser falsificado e não pode ser adivinhado. Os números PIN são certamente muito mais seguros que os padrões, o que, graças à nossa previsibilidade, são muito fáceis de adivinhar. Se um hacker tiver um vídeo secreto de você desbloqueando seu telefone, um bloqueio de padrão pode ser quebrado em cinco tentativas.

4) Conectando dispositivos USB desconhecidos

Vírus e outros malwares amam se instalar por meio de pendrives USB, executando códigos infecciosos logo que você os pluga no computador. Isso significa que você precisa ser muito cuidadoso com qualquer dispositivo USB que não tenha comprado novinho em folha e tirado da embalagem você mesmo.

Com a chegada dos serviços de compartilhamento em nuvem, não estamos mais contando tanto com esses pequenos dispositivos como antes, mas, ainda assim, você vai se deparar com vários deles no trabalho, na escola ou com amigos. Você não deve plugar dispositivos USB aleatórios que achou em algum lugar ou cuja procedência você não conhece completamente.

Assim como a possibilidade de conter malware dentro do pendrive, o firmware do dispositivo pode também estar infectado. Se você puder usar um método alternativo para transferir arquivos ou carregar programas, então o faça. Caso contrário, certifique-se de que todos os seus pendrives estão vindo de fontes confiáveis e não plugue um desses sem um programa de segurança abrangente instalado em seu computador.

5) Deixando sua webcam e seu microfone descobertos

Foto: Alex Cranz (Gizmodo)

Se é bom o bastante para Mark Zuckerberg, é bom o bastante para você. Não podemos ter certeza absoluta de que alguém está te espionando pela webcam e pelo microfone do seu computador, porém, se essas portas estiverem bloqueadas com alguma fita, esse tipo de vigilância será muito mais difícil de se conseguir.

Algumas webcams agora têm proteções de privacidade embutidas, então, se esse for o caso em seu notebook ou desktop, certifique-se de que esteja se aproveitando disso. Caso contrário, qualquer tipo de solução caseira funcionará. Se você acha que fará algumas videochamadas em um futuro próximo, escolha algo temporário (como uma fita), que pode ser facilmente removido.

Você pode achar que ninguém teria muito interesse em vê-lo enquanto você olha para a tela do seu computador o dia todo, mas sabemos que essas invasões acontecem e podem ter sérias consequências. Não vale a pena correr o risco se aplicar uma solução efetiva para essa questão é algo tão simples.

6) Não atualizando seus softwares

Captura de tela: Gizmodo

Nunca existe uma boa hora para instalar as atualizações de programas, todos sabemos disso, mas, ao adiar as atualizações mais recentes, você está colocando seus dispositivos sob risco — manter tudo atualizado, do sistema operacional a seus aplicativos e programas instalados, é, certamente, a melhor maneira de se manter seguro.

Não estamos falando apenas de pequenos patches. Estamos falando também de, por exemplo, continuar usando seu Windows XP porque ele ainda está funcionando e você gastou dinheiro nele — uma atualização pode ser inconveniente e cara, mas, em termos de segurança, pode ser inestimável. Muitos dos grandes ataques têm sucesso por causa de brechas em softwares antigos.

Para a sorte de nós, usuários, está ficando cada vez mais difícil evitar atualizações automáticas, do iOS ao Spotify para Windows. Mude as configurações para atualizações automáticas sempre que puder, opte por instalar atualizações logo que elas chegarem e não deixe os programas de seus principais dispositivos ficarem velhos ao ponto de você colocá-los em risco.

Imagem do topo: Alex Cranz (Gizmodo)