Você talvez pense que Bauhaus é um estilo ou talvez uma escola de pensamento. Mas a Staatliches Bauhaus, mais conhecido apenas como Bauhaus, é na realidade uma escola física, de verdade mesmo: um instituto de design que deu a alguns dos designers mais importantes da história uma base em estética que continua a influenciar a forma como nosso mundo se parece e funciona.

A Bauhaus foi uma das primeiras escolas de design pra valer e embora o seu norte seja fervorosamente devotado à funcionalidade, ela esteve entre as primeiras a estabelecer e provar que o funcional não precisa ser entediante.

A escola progrediu de forma inabalável sob o comando do fundador Walter Groupius, que em 1923 viu o que os designers russos e holandeses estavam fazendo e reimaginou a missão original da Bauhaus de unir e criar, mudando-a para unir arte e tecnologia. O bom design que poderia ser produzido em massa e disponibilizado para o público em geral.

Foi então que muitos dos mais icônicos e duráveis designs da Bauhaus emergiram. Centrado em formas geométricas limpas, composição visual equilibrada e materiais como madeira, metal e vidro, o design da Bauhaus abraçou um visual futurista que ainda assim permanecia muito interessado na criação de produtos funcionais para o mundo real. Encorajando uma abordagem científica para o design, os aspectos mecânico e industrial não eram coisas a serem escondidas, mas pelo contrário, exibidas com orgulho.

Mesmo após o fechamento da escola em 1933 devido à pressão política da Alemanha, sua influência continuou a ser sentida. Nos anos 1960, Dieter Rams abraçou muitos dos mesmos princípios e ideais encontrados no design da Bauhaus. Florence Knoll colocou seu toque singular americano ao design da Bauhaus, criando algumas das maiores e mais respeitadas mobílias que já existiram. E, claro, tem a Apple. Tudo do primeiro logo do MacOS à sua mais recente linha de computadores, smartphones, tablets e acessórios se inspira das inovações vindas da pequena escola de design alemã.

Jogo de xadrez Bauhaus

Xadrez Bauhaus.

Criado em 1922 por Josef Hartwig, a melhor parte das peças desse jogo de xadrez é que o design de cada uma indica o movimento que elas são capazes de fazer. [Imagem]

Berço Bauhaus

Berço de revistas.

O berço da Bauhaus surgiu nos primeiros dias da escola de design alemã, mas a simplicidade desse porta-revistas, tanto no formato quanto nas cores usadas, não afasta a diversão intrínseca do design.

Cadeira Presidente Bauhaus

Cadeira presidente.

De todas as cadeiras vindas da Bauhaus, esta é a que mais comumente vem à mente. Criada por Marcel Breuer, a cadeira presidente é uma mistura de aço e couro, usando nenhum material a mais do que o necessário, enquanto que provê conforto máximo. É um design que você ainda encontra nas casas hoje em dia. [Imagem]

Mesas aninhadas Bauhaus

Mesas aninhadas.

Nada diz tanto “esperto” quanto cinco mesas separadas que se aninham umas nas outras. E o uso de cores em cada mesa é algo que seria revisitado por Ray e Charles Eames décadas mais tarde. [Imagem]

Abajur Bauhaus

Abajur

Provavelmente a peça de luz mais icônica saída da Bauhaus, o abajur de William Wagenfeld, construída de metal e vidro precisamente cortado, está entre os objetos que emergiram durante o regime focado em tecnologia da Bauhaus. [Imagem]

Infusor de chá Bauhaus

Infusor de chá.

Criado em 1924 por Marianne Brandt, o infusor de chá da Bauhaus tem um filtro embutido, bico que não goteja e asa resistente a calor feita de ébano, abraçando os princípios da escola de combinar funcionalidade com estética. [Imagem]

Cadeira Barcelona

Cadeira Barcelona.

Criada em 1929 pelo futuro líder da Bauhaus Ludwig Mies van der Rohe em parceria com Lily Reich, as gentis linhas da cadeira Barcelona serviram como precursoras do que seria o movimento de mobília moderna da metade do século. [Imagem]

Maçaneta Bauhaus

Maçaneta.

Sem dúvida a peça mais famosa desenhada por Walter Gropius, as formas geométricas e industriais, como os seus parafusos expostos, das maçanetas Bauhaus floresceram e deram o tom sobre o que a estética da Bauhaus era. O DNA de design encontrado nessa maçaneta permanece vivo em objetos contemporâneos, como o iPhone 4S. [Imagem]

[Imagem do topo: Wikipedia]