A grande maioria de líderes globais está reunida em Glasgow, na Escócia, para a COP26, a grande conferência climática das Nações Unidas. Alguns políticos viajaram em aviões particulares ou fretados, incluindo incontáveis ​​titãs do mundo dos negócios que aparecerão em Glasgow para falar de seus grandes objetivos climáticos como prova de que suas empresas são boas cidadãs corporativas.

Ativistas se manifestam a respeito. Uma solução simples, claro, é proibir viagens de jatos particulares para a principal conferência climática do mundo. Os países podem se comprometer a proibir aviões particulares, ponto final. Podem focar nos Estados Unidos como exemplo. O governo Biden propaga que está comprometido com a justiça ambiental.

A proibição de jatos particulares (na COP26) seria um ótimo ponto de partida. Um estudo divulgado em 2020 mostrou que as viagens de jatos particulares foram responsáveis ​​por quase 34 milhões de toneladas métricas de poluição de carbono em 2016, o que é mais que alguns países produzem em um ano inteiro.

Quatro horas de voo em um jato particular emite tanta poluição de gases de efeito estufa quanto o cidadão europeu médio em um ano. Como observa um relatório do Institute for Policy Studies de 2017, uma única viagem pelo país em um Gulfstream IV —um PJ favorito de celebridades que vão de Alex Rodriguez a Post Malone— produz quase o dobro do carbono na atmosfera do que o americano médio faz anualmente.

Toda essa poluição vem de uma pequena porcentagem da população. A maioria das pessoas no mundo não voa, principalmente devido ao custo. E o subconjunto da população global que pode pagar voos privados é ainda menor. Algumas estimativas mostram que nem mesmo a maioria dos multimilionários pode se dar ao luxo de tal luxo.

No entanto, ao se livrar dos jatos particulares nos Estados Unidos, o país estaria reduzindo a poluição de uma indústria que simplesmente não precisa existir. A América do Norte é responsável por 69% dos jatos particulares do mundo, e os EUA superam de longe todos os outros países na propriedade de jatos particulares. A proibição de jatos particulares nos Estados Unidos enviaria uma das fontes de emissões mais extravagantes para a lata de lixo da história.

Para que uma proibição seja realmente eficaz, porém, o resto do mundo precisaria se juntar a ela. Um relatório de maio também descobriu que as emissões de carbono dos voos privados na Europa aumentaram quase um terço entre 2005 e 2019.

Claro, a proibição de jatos particulares seria apenas o começo. Os jatos privados são indicativos da concentração de riqueza ocorrendo paralelamente à crise climática.

O chefe do Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas disse na semana passada que U$ 6 bilhões da fortuna de Elon Musk (míseros 2% para o fundador da Tesla e da SpaceX) poderia acabar com a fome de 42 milhões de pessoas. A proibição dos jatos particulares também removeria um pouco do excesso dos ultra ricos, permitindo que os mais pobres do mundo tivessem uma chance melhor de não perder tudo para o agravamento da crise climática.

Qual seria exatamente a aparência de uma proibição de jatos particulares? Uma proibição suave poderia ser um imposto de 100% sobre jatos pessoais e qualquer viagem aérea sobre eles. Os países ricos poderiam desembolsar o dinheiro dos impostos arrecadado para adicionar ao Fundo Verde para o Clima, um mecanismo para ajudar os países pobres a se adaptarem e a mitigarem as mudanças climáticas.

Esse fundo foi criado em 2009 e os países ricos prometeram enchê-lo com U$ 100 bilhões anuais até este ano, mas não cumpriram sua promessa. Por que não fazer os ricos pagarem sua parte, considerando tudo o que tiraram do mundo em desenvolvimento?

Ou, se isso parecer muito complexo ou talvez não rigoroso o suficiente, tornar a propriedade de tal veículo um crime seria o impedimento mais direto. Obviamente, essas políticas não substituem uma política climática abrangente e transformadora.

Assine a newsletter do Gizmodo

Todos os setores de transporte, energia, agricultura e indústria da economia mundial precisam ser revistos. Soluções individuais por si só não nos levarão lá, nem mesmo perto. Mas com nosso orçamento de carbono extremamente baixo, cada tonelada de poluição não emitida para o céu é importante.

E dado que os ultra ricos ganharam seus milhões e bilhões inclinando a economia de combustíveis fósseis a seu favor, é justo que eles se preparem para reverter o curso. Tenho certeza de que eles ficarão bem na economia ou no terreno com o resto de nós.